Executivo de João Lourenço combate à pobreza com chapas e pintos - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

NOTA NEGATIVA: Chineses ‘avacalham’ angolanos em solo pátrio sob olhar impávido das autoridades Irmão de C4 Pedro e filho do PCA da Gesterra: Bandidos provenientes de famílias com ‘posses’ capturados durante assalto na Via Expressa Centro de Saúde 'Palanca II' com casas de banho sem condições de higiene Corrupção na Inspecção do Comando Geral: Trânsitos obrigados a pagar 600 mil Kwanzas para evitar processo disciplinar
×

Executivo de João Lourenço combate à pobreza com chapas e pintos

Executivo de João Lourenço combate à pobreza com chapas e pintos


Depois de, há pouco menos de duas semanas a governadora provincial de Luanda, Joana Lina, ter-se deslocado ao município de Icolo e Bengo para, junto de famílias carenciadas oferecer ´pintinhos´ para que a população criasse e reproduzisse para servir de sustento, sem ter em conta de onde as mesmas famílias encontrariam a ração para alimentar as aves, uma vez que o mesmo povo procura por alimentos para saciar à fome, eis que, virou moda no seios dos auxiliares do titular do Poder Executivo oferecer pintos, canos ‘descaracterizadas’ e chapas de zinco para cada um ‘salvar-se como puder’.

A humilhação às vezes é tamanha, que deixam idosos horas à fio debaixo do sol, a espera do engravatado que virá, em gesto simbólico, oferecer os pintos e chapas.

Infelizmente, esta é táctica na luta contra a pobreza que o partido dos camaradas está a implementar.

Há sensivelmente duas semanas, com pompas e circunstancias e direito a cobertura da imprensa pública, no Bié, mil e cinquenta e três pintos foram entregues a 16 famílias dos municípios do Chinguar e Cuito, em acto orientado pelo vice-governador provincial para o sector Político, Económico e Social, António Manuel. Cada beneficiário recebeu 12 pintos, sendo 10 galinhas e dois galos.

De acordo com o governante, a Acção se enquadra no Programa do Governo Provincial de Combate à Pobreza que visa a garantia da segurança alimentar e nutricional. Imaginem alguém que já não se alimenta devidamente há anos, ter que esperar que o galo ‘engravida’ a galinha, para depois chocar um ovo, para o pobre angolano poder se alimentar…

Ainda durante a cerimónia, António Manuel, sublinhou que os pintos  vão contribuir na melhoria da qualidade de vida da população, através da sua multiplicação.  Parece que, com uma varinha mágica, em duas semanas, cada família teria em sua posse 200 mil pintos.

Ainda no combate à pobreza, valorização e protecção das famílias e reforço das competências familiares, o Gabinete Municipal da Acção Social, Família e Igualdade do Género, no município de Ambriz, Bengo, procedeu na Quinta-feira 20, distribuição de 350 folhas de Chapas de Zinco para 35 famílias vulneráveis. O acto de entrega foi testemunhado pelo Administrador Municipal Interino Héllio Ferreira. Esta acção chamou atenção a vários activistas da Sociedade Civil, por exemplo, Alexandra Simeão, na sua página do facebook, chamou atenção a incapacidade dos “Camaradas” perceberem que não se conseguem resultados diferentes mantendo os mesmos hábitos ineficazes.

“Um programa de combate à pobreza que se baseie na atribuição de cestas básicas, no verdadeiro sentido da palavra, que não alimentam sequer uma família por dois dias, chapas de zinco, canoas milionárias sem motor para não perturbar a paz dos peixes e outras formas de propaganda manhosa afins que gastam milhões de Kz do OGE, não resolve problema nenhum e não combate pobreza nenhuma”, alertou, tendo acrescentado que a pobreza não se resolve com a caridade eleitoral.

“Parem de gastar dinheiro à toa e construam programas sociais eficazes, há muitos exemplos pelo mundo fora e vocês são exímios a copiar. Com esta mentalidade jamais corrigirão o que está mal, pois para corrigir o que está mal deviam começar por corrigir a forma de pensar na governação. Ninguém merece, 45 anos depois!”.

A forma que o MPLA governa, sem ouvir o que realmente aflige a vida dos governados, tem ceifado a vida de milhares de angolanos. Em  plena capital onde reside o Presidente da República, em pleno Séc. XXI, ainda há crianças que morrem por não ter o que comer…

Custa acreditar que milhões de kwanzas são atirados numa ‘balbúrdia’  qualquer, só porque o gestor público quer sobre facturar. O Dinheiro do Fundo Soberano aplicado nas administrações deve servir realmente para projectos imediatos que salvem vidas de milhares de angolanos.

Há pessoas que dormem há dois ou três dias sem nada no estômago. Ajudem o povo, não espalhem mais miséria. Visitem hospitais, lares, accionem às Comissões de Moradores para que indiquem famílias que estão a ser dizimadas pela penúria. É urgente que se corrija o que está mal, e já vai mesmo muito mal. Ouçam a voz do povo, para que em 2022 “vocês gostem” realmente.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados