Jornalista angolano condenado a pagar cem milhões de kwanzas ao vice-procurador-geral da República - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Novo aeroporto tem capacidade para movimentar 15 milhões de passageiros por ano LIMA realiza segunda reunião ordinária com olhos postos no empoderamento da mulher NOTA NEGATIVA: Péssimo trabalho do GCI-MININT condiciona trabalho da Imprensa Cidadão nigeriano detido pelas forças policiais de Belas com mais de cem placas electrónicas furtadas  
×

Jornalista angolano condenado a pagar cem milhões de kwanzas ao vice-procurador-geral da República

Jornalista angolano condenado a pagar cem milhões de kwanzas ao vice-procurador-geral da República


O jornalista Carlos Alberto foi ontem, segunda-feira, 13, condenado a dois anos de prisão (pena suspensa) e o pagamento de uma indemnização de cem milhões de kwanzas ao vice-procurador da República Mouta Liz, cinco milhões de kwanzas ao senhor Domingos kipaca e cinco milhões de kwanzas à senhora Esperança Ganga e terá ainda de pagar 88 mil kwanzas de taxa de justiça.

Por: NA MIRA DO CRIME

No entanto, a pena que deixará de surtir efeito se nos próximos 20 dias o arguido, Carlos Alberto, pedir desculpas públicas e se retratar pelas mesmas vias, Facebook e Portal A Denúncia, que usou para acusar os queixosos.

O jornalista deverá pedir desculpas de cinco em cinco dias durante 45 dias. O que equivale dizer que o Jornalista deverá na sua página do facebook e no portal A Denuncia fazer nove publicações de pedido de desculpas durante um período de 45 dias.

A Sessão

A Sessão teve início às 11 horas, na 6ª secção da sala dos crimes comuns do Tribunal Provincial de Luanda e tinha como agenda à leitura dos quesitos e a leitura da sentença onde o Jornalista Carlos Alberto vinha acusado de três crimes de difamação, três crimes de calúnia e um crime de liberdade de imprensa.

Depois de lidos os 20 pontos que constituíam os quesitos, o Juiz da causa, Domingos Fulevo, pediu a palavra aos advogados de defesa que apresentaram os seus argumentos, que numa primeira instância o juiz da causa achou não serem matérias de facto.

Aconselhado pelo juiz assistente, o juiz acabou consignando, tendo pedido 10 minutos de pausa para a apreciação dos quesitos apresentados pela defesa.

De volta à sala do plenário, dos mais de quinze quesitos apresentados pela defesa, o juiz aprovou um, absteve-se de cinco e rejeitou os restantes. Tendo de seguida ditado a sentença ao jornalista e ao portal A Denúncia.

Não satisfeitos com a decisão, os advogados de defesa requereram um recurso sob efeito suspensivo, um pedido que foi aceite pelo juiz.

As reações

Ao reagir à sentença, Carlos Alberto que não concordou com a sentença disse ao Na Mira do Crime que o vice-procurador quando fez a queixa já sabia da condenação.

“E é por isso é que nós não pedimos desculpas, alias, demos oportunidades ao Dr Mouta Liz de se defender, por isso é que quando fizemos a denúncia ligamos para o Dr Mouta Liz para que pudesse dizer as suas versões dos factos. O Dr Mouta Liz não entendeu dessa forma, alias, ameaçou-nos que se nós publicássemos a matéria haveríamos de ver, e é isso que nós vimos hoje... Na verdade, o Dr Mouta Liz já sabia, portanto, foi uma fuga para frente”.

Quem também falou ao Na mira do crime foi o Advogado do vice-procurador que achou a decisão foi ponderada, justa, sensata e equilibrada.     

De lembrar que Carlos Alberto começou a ser julgado no dia 16 de agosto do ano em curso em função de uma matéria divulgado, no seu portal, A Denúncia, no passado dia 15 de maio de 2021 onde acusava o vice-procurador da República de envolvimento em esquemas de usurpação de imóvel, abuso de poder, trafico de influência e associação de malfeitores. 

    

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados