Beneficiários do BPC Salário descontentes com morosidade denunciam actos de corrupção - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Capturados marginais que violaram professora de 54 anos de idade, vítima foi golpeada com martelos na cabeça TALATONA: Marginais vestidos com coletes do SIC sequestram irmãs e pedem resgate de 2 milhões de Kwanzas DIIP-Zango detém marginal altamente perigoso de nome “Boutique” Grupo de marginais “Craveras” e “Os Tribunais” controlam parte do Zango 4
×

Beneficiários do BPC Salário descontentes com morosidade denunciam actos de corrupção

Beneficiários do BPC Salário descontentes com morosidade denunciam actos de corrupção


Pedir um salário adiantado no Banco de Poupança e Crédito, também conhecido como BPC salário, era tão fácil, antes de 2017 que, em dois dias ou três, no máximo, era possível tê-lo nas contas, mas agora o interessado tem de esperar, no mínimo, dois meses, sem justificação aparente.

Por: Lito Dias

Trata-se de um procedimento fácil, tal como era evidente de 2007 a 2016. O cliente só tinha de buscar a declaração da entidade patronal e levá-la ao BPC, onde lhe era dada a livrança que tinha de ser reconhecida num notário.

A seguir, a livrança voltaria ao banco e este, em menos de 4 horas, carregava o valor na conta.

Era tão fácil que, em três dias, se podia obter o salário adiantado, parar acudir qualquer necessidade pontual.  Agora, tudo mudou; o mesmo procedimento leva muitos requerentes a desistir por causa da demora.

De três dias para 60 é muita demora, tanto mais que ninguém esclarece as razões desse atraso.

Gilberto Fundanga, coronel na reforma, tentou pedir um salário adiantado para custear o tratamento da esposa adoentada, isto no mês de Março, mas até agora não foi atendido.

"Tive que me endividar nas kinguilas, para resolver o problema, mas até hoje, mesmo com toda papelada reunida, não fui atendido", informou, referindo que o banco alega haver muita gente a solicitar este serviço e ligariam tão logo carregassem o dinheiro na minha conta.

Para o oficial, o BPC salário foi desvirtuado e perdeu a sua essência que era de acudir várias situações pontuais.

Sandra Fragoso é outra cliente apoquentada com a morosidade do Banco.

"Para tratar a declaração no Instituto de Segurança Social das FAA, levei uns 15 dias", disse, acrescentado que, contrariamente ao passado, agora é o próprio instituto que levas as declarações ao BPC, e só tinha de ser o do Lar Patriota.

Segundo Sandra, na referida agência bancária, o documento demora pelo menos 15 dias, ao fim dos quais é dada outra documentação que o cliente deve levar à agência da sua conveniência.

"Submetida a documentação, tem que se esperar mais 10 a 15 dias pela livrança, depois de reconhecê-la no notário e levada ao banco, espera-se por mais cinco dias ou uma semana, tempo demasiado para carregar-se o valor solicitado na conta”.

Funcionários do BPC aproveitam

Quando a burocracia é excessiva, as necessidades apertam e, para a coisa não ficar só assim, os funcionários do BPC orquestram cenários que visam agilizar o processo do salário adiantado, em troca de uma taxa desse salário.

Ciente das dificuldades que se verificam na solicitação do salário adiantado, depois de tratar a declaração, do Instituto de segurança social, no caso de ser pensionista das FAA, debaixo de lamúrias, aparece sempre alguém a fazer-se passar por um cliente que fica atento a cada lamentação, a cada caso e, depois, apresenta-se como quem pretende ajudar.

Ele acirra a ideia de que o processo é moroso, mas que há uma forma de contornar tal morosidade, desde que o interessado se predisponha a pagar uma taxa 25 por cento.

A aflição, claro, empurra muitos clientes ao negócio, porque, aderindo à proposta, poupa-se 30 dias de espera e, mais cedo, consegue-se resolver os problemas, apesar da quebra de 25 por cento.

Dorina Damuku, uma anciã também reformada, 'caiu' na proposta e viu o salário adiantado em 15 dias.

"É mais uma valia, apesar de me retirarem 25 por cento”, sublinhou.

Oposto à essa valia está outro ancião, na circunstância, Figueiredo Tandala, que considera importante a revisão urgente desses créditos que o BPC dispõe.

"Se é possível o banco resolver a situação em 15 dias, porque é que nós temos que gastar tanto dinheiro de táxi, durante dois meses ou mais, neste vai e vem?", questionou.

Ele sugere a desburocratização de todos os serviços, reduzindo ao mínimo o tempo para a disponibilização do BPC salário, como era no passado.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados