Shakira arrisca oito anos de prisão em Espanha por fraude fiscal - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Capturados marginais que violaram professora de 54 anos de idade, vítima foi golpeada com martelos na cabeça TALATONA: Marginais vestidos com coletes do SIC sequestram irmãs e pedem resgate de 2 milhões de Kwanzas DIIP-Zango detém marginal altamente perigoso de nome “Boutique” Grupo de marginais “Craveras” e “Os Tribunais” controlam parte do Zango 4
×

Shakira arrisca oito anos de prisão em Espanha por fraude fiscal

Shakira arrisca oito anos de prisão em Espanha por fraude fiscal


A artista de 45 anos, que rejeitou um acordo judicial por confiar plenamente na sua inocência, é acusada de defraudar o fisco espanhol em 14,5 milhões de euros entre 2012 e 2014.

O Ministério Público espanhol anunciou esta sexta-feira que vai pedir uma sentença de mais de oito anos de prisão para a cantora Shakira, acusa de fraude fiscal.

A artista de 45 anos, que rejeitou um acordo judicial por confiar plenamente na sua inocência, é acusada de defraudar o fisco espanhol em 14,5 milhões de euros entre 2012 e 2014.

Os advogados de Shakira sustentam que a artista, entre concertos e a agenda associada ao showbiz, apenas permaneceu 184 dias em Espanha, e, por isso, não tinha obrigação de pagar impostos neste país.

Em janeiro de 2020, dois inspetores da agência tributária espanhola declararam perante uma juíza de instrução que Shakira não tinha feito o pagamento do Imposto de Renda entre 2012 e 2014, denúncia que foi reafirmada com um relatório produzido sobre o processo.

O processo foi instaurado em dezembro de 2018 contra Shakira e o assessor fiscal da artista nos Estados Unidos, acusados de seis crimes contra a Agência Estatal de Administração Tributária, na sequência de um alegado "plano" para 'fugir' ao pagamento do Imposto de Renda e do imposto sobre o património, através de sociedades radicadas em paraísos fiscais que formalmente eram os titulares dos bens detidos por Shakira.

Concretamente, o Ministério Público espanhol sustenta que a cantora "canalizou os movimentos de capital gerado com a sua atividade profissional" -- os concertos, a participação no programa de entretenimento norte-americano "The Voice" e os spots publicitários sobre os perfumes com o nome da artista -- através de empresas sediadas nas Ilhas Virgens britânicas, as Ilhas Caimão, Malta, Panamá e Luxemburgo.

C/DN

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados