ALERTA: Cuca acusada de fabricar cerveja Booster Cider com impurezas - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Novo aeroporto tem capacidade para movimentar 15 milhões de passageiros por ano LIMA realiza segunda reunião ordinária com olhos postos no empoderamento da mulher NOTA NEGATIVA: Péssimo trabalho do GCI-MININT condiciona trabalho da Imprensa Cidadão nigeriano detido pelas forças policiais de Belas com mais de cem placas electrónicas furtadas  
×

ALERTA: Cuca acusada de fabricar cerveja Booster Cider com impurezas

ALERTA: Cuca acusada de fabricar cerveja Booster Cider com impurezas


A empresa Cuca, detentora da marca de cerveja Booster Alcool Mix Cider, em recipientes de 250 ml do lote 9501100007513, está a ser acusada pela Associação Angolana de Ajuda ao Consumidor (AAAC), de produzir este produto com impurezas. O receio, agora, é que essas impurezas venham a prejudicar a saúde dos consumidores.

Por: Matias Miguel

Sains Maximino Bongue, representante da Associação Angolana de Ajuda ao Consumidor (AAAC), em contacto com o NA MIRA DO CRIME para denunciar e alertar à empresa Cuca de estar a fabricar o referido produto, disse que se trata da comercialização de um produto bastante consumido, sobretudo por pessoas do género feminino.

No interior da garrafa podem ser vistas partículas estranhas de cores vermelha e pretas que podem ser nocivas ao bem-estar.

Sains acrescenta que não é a primeira vez que a Cuca "nos brinda com este tipo de coisas nos finais de ano" e lembra que num passado recente, a mesma empresa, embora com gestão diferente desta, nos dois últimos meses do ano 2012 e 2016, já comercializou cerveja Cuca com sabor envinagrado.

Nutricionista aconselha análises clínicas

Maida Massanga, nutricionista, disse que "tudo o que não é produto comestível, ao ser ingerido, pode causar danos à saúde, mas sem se saber que substância se trata, não podemos dar um parecer científico". Para ela, é necessário fazer-se análises bromatológiocas a fim de se decifrarem que substâncias são.

Empresa viu impurezas

A direcção do Gabinete Jurídico representado por Tango Zeferino e Edu Lusitano, no direito ao contraditório, disse que a empresa reconhece existirem impurezas no interior da garrafa a flutuarem, mas "não podemos afirmar taxativamente do que se trata".

"Pedimos a vossa paciência e dentro de três dias, vamos nos pronunciar sobre o caso, já que antes teremos que consultar a equipa técnica a fim de nos dar uma explicação complementar do sucedido", projectou.

A verdade é que, esgotados os cinco dias, a direcção em referência refugiou-se no silêncio.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados