Angolanos efectuaram 34,2 milhões de operações no Multicaixa Express em Outubro - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Novo aeroporto tem capacidade para movimentar 15 milhões de passageiros por ano LIMA realiza segunda reunião ordinária com olhos postos no empoderamento da mulher NOTA NEGATIVA: Péssimo trabalho do GCI-MININT condiciona trabalho da Imprensa Cidadão nigeriano detido pelas forças policiais de Belas com mais de cem placas electrónicas furtadas  
×

Angolanos efectuaram 34,2 milhões de operações no Multicaixa Express em Outubro

Angolanos efectuaram 34,2 milhões de operações no Multicaixa Express em Outubro


O aplicativo Multicaixa Express registou, em Outubro do corrente ano, um total de 34,2 milhões de operações, número superior aos movimentos executados pelos Terminais de Pagamento Automático (TPA) que foi de 33,3 milhões, informou, esta segunda-feira, em Luanda, o vice-governador do Banco Nacional de Angola.

Rui Miguêns que discursou no XI Fórum de Economia e Finanças, organizado pela Associação Angolana de Bancos (ABANC) realçou que, o número de operações de compras em TPA apresentava, em Dezembro de 2017, um total de 12,3 milhões, citando o relatório da Empresa Interbancária de Serviços (EMIS) referente ao mês de Outubro de 2022 cifrou-se em 33,3 milhões, um crescimento de quase três vezes.

Com estes resultados, Rui Miguêns destacou que o aumento “significativo” do número de transacções financeiras com recurso a meios de pagamento electrónicos “é indicativo do quão rápida pode ser a penetração de produtos e serviços diferentes dos tipicamente oferecidos por via do canal balcão bancário”.

Por um lado, o gestor bancário frisou que a disrupção digital em Angola tem mostrado que o que está em causa, “não é apenas a concorrência entre canais da mesma instituição bancária ou entre instituições bancárias”.

Para ele, a evolução que se observa nos indicadores da EMIS mostra que os clientes bancários começam a privilegiar os meios digitais para ter acesso aos serviços bancários e efectuar transacções.

“Temos observado que, para além das operações das tradicionais instituições não-bancárias, gradualmente, startups orientadas para a comercialização de serviços passaram a ter carteiras móveis integradas nos seus aplicativos”, reconheceu.

Acrescentou que, o aumento significativo do número de transacções financeiras com recurso a meios de pagamento electrónicos é indicativo do quão rápida pode ser a penetração de produtos e serviços diferentes dos tipicamente oferecidos por via do canal bancário.

Com estas valências, Rui Miguêns defende que a concorrência pelo consumidor de serviços financeiros deixou de ser apenas entre bancos, actualmente, o BNA tem licenciadas dezasseis sociedades prestadoras de serviços de pagamento, dentre elas empresas promovidas por prestadores de serviços de telecomunicações e fintechs.

“O BNA não está alheio a este processo e para lá do espaço regulatório que vem oferecendo para uma , cada vez maior oferta de produtos e serviços financeiros digitais, bem como, vem estudando e implementando tecnologias como a robótica e a inteligência artificial, uma forma de tornar os processos de negócio mais céleres, seguros e transparentes”, frisou.

Destacou que, a inclusão financeira, por via da transformação digital, é um instrumento fundamental para o desenvolvimento económico e a redução das disparidades sociais

C/Mercado

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados