NOTA NEGATIVA: Péssimo trabalho do GCI-MININT condiciona trabalho da Imprensa - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

NOTA NEGATIVA: Chineses ‘avacalham’ angolanos em solo pátrio sob olhar impávido das autoridades Irmão de C4 Pedro e filho do PCA da Gesterra: Bandidos provenientes de famílias com ‘posses’ capturados durante assalto na Via Expressa Centro de Saúde 'Palanca II' com casas de banho sem condições de higiene Corrupção na Inspecção do Comando Geral: Trânsitos obrigados a pagar 600 mil Kwanzas para evitar processo disciplinar
×

NOTA NEGATIVA: Péssimo trabalho do GCI-MININT condiciona trabalho da Imprensa

NOTA NEGATIVA: Péssimo trabalho do GCI-MININT condiciona trabalho da Imprensa


A Nota Negativa desta semana vai para o Superintendente Vasco da Gama, Director (interino) de Comunicação Institucional do Ministério do Interior (GCII/MININT), entre outros bajuladores no geral, que tudo fazem nas instituições em que trabalham para sobressaírem, serem promovidos e obterem melhores regalias, espezinhando tudo e todos, porque geralmente têm a protecção de algum “padrinho”, mas que só acabam confundindo “alhos com bugalhos” e criam ambientes impróprios para o bem-estar da sociedade

Por: NA MIRA DO CRIME

Numa sociedade, especialmente na nossa, quando jovens quadros são, devidamente, aproveitados, promovidos e lhes são atribuídas responsabilidades, aos vários níveis, pela sua competência, carácter, postura digna e humildade, é mais valia para o desenvolvimento, é preservar o futuro e é sempre salutar para os objectivos gerais da nação. É bonito e o povo gosta.

Entretanto, várias são as críticas e as lamentações em meios da sociedade angolana, principalmente de sectores ligados ao Executivo, por não se dar o devido valor aos quadros nacionais, principalmente os mais jovens.

Grande parte destes, mesmo com provas dadas da sua competência e dedicação, têm sido preteridos a favor de indivíduos incapazes, por nepotismo, bajulação e conivência em actos lesivos ao Estado, que vão ocupando cargos importantes e exercendo funções para as quais não têm a mínima competência.

Pelo que se tem notado, tal prática contraria a pretensão do Presidente da República, João Lourenço, que recentemente afirmou que quer contar com “quadros que por provas dadas” mereçam a sua completa confiança pessoal e política, esperando por uma evolução da situação que ainda se vai vivendo no país.

Muitos são os casos de quadros jovens que sofrem represálias, que são suspensos e/ou exonerados das suas funções por querer fazer bem o seu trabalho, por exercerem com honestidade, por respeitarem as leis vigentes no país e por não permitirem desrespeitos seja de quem for, primando pela lisura, pelo progresso e pelo bem-estar dos angolanos.

Contudo, em determinadas instituições do Estado, sendo o Ministério do Interior e órgãos afins, como a Polícia Nacional, dos mais visados, prefere-se os que entram pela “porta da cozinha”, porque têm lá o “padrinho”, indivíduos petulantes, incompetentes e cheios de arrogância, em detrimento de quadros jovens e valiosos que ficam a “marcar passo”, por serem frontais, por primarem pela legalidade, pela ordem e respeito às instituições e aos cidadãos.

É assim que se vai valorizar a Juventude e priorizar a sua educação, formação e competências? Para depois só se valorizar os bajuladores e “lambe-botas”?

Tal é o caso do Superintendente Vasco da Gama, do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério do Interior (GCII/MININT), que, de tanta arrogância e bajulação aos seus superiores, principalmente ao ministro Eugénio Laborinho, está a extravasar as suas competências e a criar um clima caótico com a comunicação social em geral, confundindo o gabinete que gere com uma agência noticiosa.

Vasco da Gama é acusado de, por pura bajulação, fazer de tudo para ofuscar colegas seus, querendo sempre aparecer como o melhor, a pontos de, em vez de ser um servidor público competente e empenhado em preservar uma imagem imaculada da instituição em que labuta e criar um ambiente saudável com as demais instituições, sobretudo com a comunicação social, que deve ser o seu papel, dentro dos parâmetros em que se cinge o GCII/MININT, prefere lidar como sendo ele o “dono da verdade”, trata os órgãos de comunicação social como se fossem seus rivais, priva as informações do MININT e demais órgãos, não deixa fluir a informação em tempo útil, cria entraves aos jornalistas, sobretudo em eventos realizados pelo MININT e, como se não bastasse, está a transformar a página do MININT na Internet como um “órgão de informação”, paralelo, onde, antes dos comunicados de imprensa chegarem às redacções, a notícia já circula e a imprensa em si fica com as “migalhas”, situação que não só constrange, mas também atrapalha o trabalho de outros e cria espaço para “meias verdades”, especulações, entre outras menos convenientes. 

Infelizmente, indivíduos da laia do Superintendente Vasco da Gama, rastejante e bajulador de baixo coturno, é o que mais abunda em instituições do Estado, em prejuízo de outros quadros. Em vez de trabalhar em prol da melhoria de um conjunto de acções que visem o desenvolvimento nacional, perdem tempo com “engenharias” para se engrandecer a si próprio.

De tão bajulador que é, só lhe falta vir a público garantir que “o peido do ministro cheira à perfume de rosas”!

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados