Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Adalberto Costa Júnior eleito presidente da UNITA com mais de 96% dos votos expressos Promotores de prostituição de adolescentes detidos em Luanda Desmantelada rede de tráfico de marfim no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro Detidos efectivos das Forças Especiais que comercializam munições de AKM
×

Portugal gastou milhares de euros a preparar eventos “fantasmas” no Conselho da UE  

Portugal gastou milhares de euros a preparar eventos “fantasmas” no Conselho da UE  


O jornal europeu “Político” escreveu esta quinta-feira, 04, que a presidência portuguesa da União Europeia, que arrancou a 1 de Janeiro, gastou centenas de milhares de euros a preparar eventos presenciais “como se essa fosse a regra durante os seus seis meses a liderar o Conselho da UE”.

É uma presidência “fantasma” com gastos em equipamentos, bebidas e roupas para eventos que provavelmente não serão presenciais. Em sua defesa, o Governo diz que não poderia excluir essa possibilidade e tinha de ter tudo preparado.

De acordo com o artigo do Politico, que cita dados do Portal Base (portal que reúne os contratos públicos), a estrutura de missão da presidência portuguesa da União Europeia gastou 260.591 euros para equipar o centro de imprensa que está instalado no Centro Cultural de Belém.

Este foi usado no início de janeiro quando a presidente da Comissão Europeia esteve em Lisboa, mas desde então as conferências de imprensa têm sido online.

Além disso, a presidência portuguesa fez um contrato de 35.785 euros com uma empresa de vinhos e outro de 39.780 euros para comprar 360 camisas e 180 fatos.

Em resposta, a porta-voz da presidência, Alexandra Carreira, explicou ao Politico que Portugal não podia “simplesmente negligenciar a possibilidade de realizar eventos presenciais a um dado momento num futuro próximo” e, por isso, fez as “preparações adequadas e oportunas”.

Além disso, a porta-voz explicou que as camisas e os fatos tinham sido comprados para os motoristas da presidência. O Politico cita um diplomata veterano para dizer que este tipo de despesa não é comum nas presidências da UE.

 

 

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados