Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Promotores de prostituição de adolescentes detidos em Luanda Desmantelada rede de tráfico de marfim no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro Detidos efectivos das Forças Especiais que comercializam munições de AKM Polícia começou a "desarmar" empresas de segurança
×

EUA apoiam países africanos com 91 milhões de dólares para luta contra Covid, Angola fora do pacote

EUA apoiam países africanos com 91 milhões de dólares para luta contra Covid, Angola fora do pacote


Os Estados Unidos da América anunciaram que vão apoiar com 91 milhões de dólares (76,4 milhões de euros) vários países em África, entre os quais Moçambique, para satisfazer as necessidades humanitárias causadas pela pandemia de covid-19.

O diretor-executivo do grupo de trabalho para a covid-19 da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID, em inglês), Jeremy Konyndyk, anunciou, num comunicado, o apoio de 91 milhões de dólares que pretende "fornecer assistência alimentar urgente, cuidados de saúde, água e apoio psicossocial por África, de modo a satisfazer as necessidades urgentes provocadas pela devastadora pandemia de covid-19".

Cerca de um terço do total será destinado para o Sudão do Sul, que receberá aproximadamente 30 milhões de dólares (25,2 milhões de euros), seguindo-se 14,7 milhões de dólares (12,3 milhões de euros) para a Somália e Chade, que receberá nove milhões de dólares (7,6 milhões de euros).

O Burkina Faso deverá receber 7,5 milhões de dólares (6,3 milhões de euros). Um valor equivalente será distribuído entre Burundi, Ruanda e Tanzânia, sendo este destinado a fornecer alimentos a refugiados e a deslocados que regressaram às suas comunidades.

A agência norte-americana atribuiu 5,5 milhões de dólares (4,62 milhões de euros) a Moçambique para "fornecer assistência alimentar e nutritiva fundamental, proteção para mulheres e crianças, assim como água, saneamento e serviços de higiene para prevenir a propagação de covid-19 e de doenças transmitidas através de água".

A República Democrática do Congo (RDCongo) receberá 4,7 milhões de dólares (3,95 milhões de euros), valor semelhante aos alocados para Zimbabué (4,6 milhões de dólares, 3,86 milhões de euros) e Quénia (4,4 milhões de dólares, 3,7 milhões de euros).

Por fim, a USAID atribuiu ao Sudão três milhões de dólares (2,52 milhões de euros).

A USAID refere que desde o início da pandemia de covid-19 atribuiu mais de mil milhões de dólares (840 milhões de euros, ao câmbio atual) para assistência humanitária junto de "milhões impactados pelo vírus em todo o mundo".

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.835.238 mortos no mundo, resultantes de mais de 176,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

África contabiliza um total de 136.030 mortes associadas à covid-19 e de 5.108.888 casos de infeção pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia, de acordo com os dados oficiais mais recentes.

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egito, em 14 de fevereiro de 2020, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

A doença é transmitida pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

 

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados