Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Participação do PR na 76ª sessão das Nações Unidas custa 2 biliões e 500 milhões de kwanza aos cofres do Estado Detidos marginais que simulavam serviço de táxi e roubavam telemóveis aos passageiros Assaltos à mão armada: Motoqueiros armados com AKM tiram o sono as Forças de Defesa Segurança Huíla: Detidos cidadãos com mais de 2 milhões de dólares falsos
×

URGENTE: Efectivo do SIC colocado no Zaire foi morto por um colega regulador de trânsito

URGENTE: Efectivo do SIC colocado no Zaire foi morto por um colega regulador de trânsito


O Serviço de Investigação Criminal torna público que contrariamente a informação inicialmente difundida sobre a morte do  Agente de Investigação Criminal, António Venceslau Cortesão Guipsis, efectivo do SIC-Zaire, até então colocado no Departamento de Investigação Criminal do Município do Soyo, vítima de disparo de arma de fogo, não foi morto por marginais.

Sobre o assunto, sabe o NA MIRA de fonte do SIC,  em sequência investigativa na busca da verdade dos factos, constatou-se que o malogrado estava efectivamente em serviço, chefiando o piquete integrado do SIC municipal, onde era integrante um agente da Polícia Nacional, regulador de trânsito, que por volta das 2h00 da madrugada, circulavam juntos à bordo de uma viatura de marca Mitsubishi L200, saindo de um posto de abastecimento de combustível. No entanto, no percurso houve desentendimento entre ambos, tendo eclodido em medição de forças, envolvendo-se aos empurrões.

Na ocasião, o regulador de trânsito, retirou do coldre do malogrado a pistola, que estava na coxa, e em acto contínuo apontou para o peito da vítima e produziu o disparo a queima roupa, que resultou em morte imediata.

Depois de consumado o crime, de forma fria, o  acusado arquitetou a versão, cujo conteúdo foi difundindo, visando ilibar-se do crime, facto que não colheu nas investigações. Diante deste cenário, e recolhidos os elementos indiciáros bastantes, foi o visado detido e consequentemente presente ao Digno Magistrado do Ministério Público para o primeiro interrogatório, que resultou na aplicação da medida de coacção pessoal mais gravosa a prisão preventiva.

Salientar que o SIC reitera a sua solidariedade para com à família enlutada e garante que vai continuar implacável nas suas acções e missões de prevenção e combate à criminalidade.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados