Irene de Matos: matou, esquartejou e colocou corpo do irmão de ex-namorado num balde e abandou-o na - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Novo aeroporto tem capacidade para movimentar 15 milhões de passageiros por ano LIMA realiza segunda reunião ordinária com olhos postos no empoderamento da mulher NOTA NEGATIVA: Péssimo trabalho do GCI-MININT condiciona trabalho da Imprensa Cidadão nigeriano detido pelas forças policiais de Belas com mais de cem placas electrónicas furtadas  
×

Irene de Matos: matou, esquartejou e colocou corpo do irmão de ex-namorado num balde e abandou-o na via pública

Irene de Matos: matou, esquartejou e colocou corpo do irmão de ex-namorado num balde e abandou-o na via pública


A cidadã Irene de Matos e Silva está a ser acusada de ter matado o irmão do ex-namorado, pelo facto de este ter decidido terminar a relação amorosa que mantinham há cinco anos e, friamente, se desfez do corpo. A leitura da sentença pode acontecer no dia 21 de Novembro.

Por: Matias Miguel

O Magistrado Público junto da 7ª Secção criminal do Tribunal de Comarca de Luanda, requer o julgamento em primeira audiência de Irene de Matos e Silva carinhosamente tratada por "Ira", de 30 anos de idade, e Arnaldo Fernando Macongo Francisco (Velo), ex-namorado, de 37 anos, arrolados no processo nº 235/22 sob o crime de homicídio qualificado.

Irene Silva, está a ser acusada de ter matado o irmão do ex-namorado e esquartejado o corpo e, 48 horas depois, para se desfazer dos restos mortais, colocou-o num balde azul de 200 ml, levando-o de seguida, para o Km 30 junto ao Supermercado Platon, no município de Viana.

Para matar Fernando Francisco, Ira contou com ajuda de um comparsa conhecido por Mano.

De acordo a leitura de acusação, o malogrado faleceu por asfixia mecânica resultante de oclusão dos orifícios respiratórios, provocando sufocação, a amputação das pernas aconteceu depois de morto, tendo havido manipulação do pescoço.

Evaristo Francisco, irmão e arrolado no processo, disse ao NA MIRA DO CRIME que depois de muito procurar, foram comunicados pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC) que encontrou-se um corpo no Km 30 esquartejado.

"Fui até à morgue, na Câmara 5, observei que o meu irmão estava cortado ao meio (pernas de um lado e tronco do outro), e tinha as mãos algemadas”.

Sabe-se que seis meses antes da morte de Fernando, Velo havida terminado a relação amorosa que mantinha por cinco anos com a arguida e ordenou, a partir do mar, que a mesma abandonasse o seu apartamento.

Ao regressar à terra, no dia 19 de Fevereiro passado, Irene marcou um encontro para o bairro Grafanil, Km 9.

Entretanto, "Velo", ao dirigir-se para o local do encontro, na companhia de Evaristo Francisco, outro irmão, foram sequestrados por Irene, o irmão desta e mais três comparsas.

Só que, os irmãos do malogrado conseguiram escapar, saltando da viatura, tendo os marginais entendido abandonar a viatura com Irene no interior, fazendo-se passar por vítimas.

Diligências feitas pelos efectivos do Comando Municipal de Viana permitiram a detenção da viatura, da Irene bem como o telefone que permitiu observar a troca de mensagens que mantinha com os marginais.

Ficou provado, que Irene Silva arquitectou o plano macabro, no sentido de se vingar do ex-namorado, por este ter terminado a relação, que ela mesma forçou de forma calculista, criando um falso perfil no Facebook e atrair a presa.

Depois de uma relação que durou cinco anos, Irene sentiu-se abandonada pelo namorado que era a fonte de rendimento, e, na quinta-feira, dia 25 de Fevereiro, de 2021, matou Fernando Luanda Francisco, no apartamento 503, quinto andar, prédio 1 Zona 3, bloco 3 na Vida Pacifica, onde coabitava com o namorado.

O Juiz da causa, Nelson Cabangage adiou para segunda-feira, dia 21 de Novembro a leitura dos autos e a sentença.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados