Governador do Distrito Federal afastado pela Justiça do Brasil após ataques - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

NOTA NEGATIVA: Chineses ‘avacalham’ angolanos em solo pátrio sob olhar impávido das autoridades Irmão de C4 Pedro e filho do PCA da Gesterra: Bandidos provenientes de famílias com ‘posses’ capturados durante assalto na Via Expressa Centro de Saúde 'Palanca II' com casas de banho sem condições de higiene Corrupção na Inspecção do Comando Geral: Trânsitos obrigados a pagar 600 mil Kwanzas para evitar processo disciplinar
×

Governador do Distrito Federal afastado pela Justiça do Brasil após ataques

Governador do Distrito Federal afastado pela Justiça do Brasil após ataques


O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, foi afastado do cargo por 90 dias pelo juiz Alexandre de Moraes do Supremo Tribunal Federal (STF), horas após ataques de ‘bolsonaristas’ a instituições públicas, em Brasília

A decisão de Moraes surge em resposta a um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU), órgão público que representa o Governo Federal brasileiro em tribunais, e do senador e líder do Governo brasileiro no Congresso, Randolfe Rodrigues.

Na decisão, Moraes avaliou que Ibaneis Rocha e Anderson Torres, ex-secretário de Segurança do Distrito Federal que foi ministro da Justiça até quase ao fim do Governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, terão atuado com negligência e omissão.

“O descaso e conivência do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública e, até então, Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres — cuja responsabilidade está sendo apurada em petição em separado — com qualquer planeamento que garantisse a segurança e a ordem no Distrito Federal, tanto do património público — Congresso Nacional, Presidência da República E Supremo Tribunal Federal — só não foi mais acintoso do que a conduta dolosamente omissiva do Governador do DF [Distrito Federal], Ibaneis Rocha”, afirmou o juiz.

Moraes lembrou que o governador, que é responsável pela segurança pública da cidade de Brasília, “deu declarações públicas defendendo uma falsa ‘livre manifestação política em Brasília’ — mesmo sabedor por todas as redes que ataques às instituições e seus membros seriam realizados”.

O juíz acusou ainda Ibaneis Rocha de ter dado “amplo acesso” à esplanada dos Ministérios, ignorando “todos os apelos das autoridades para a realização de um plano de segurança” semelhante aos implementados nas celebrações da independência do Brasil, assinalada a 07 de setembro.

O juiz também determinou o fim, no espaço de 24 horas, dos acampamentos de apoiantes de Bolsonaro em frente aos quartéis militares em várias cidades do Brasil em 24 horas e a imediata desobstrução de todas as vias públicas onde o trânsito tenha sido interrompido pelos ‘bolsonaristas’ que não aceitaram o resultado das presidenciais realizadas em outubro, que culminaram com a eleição do atual Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva.

Moraes classificou a invasão e destruição de instituições públicas no domingo em Brasília como “desprezíveis ataques terroristas à democracia e às instituições republicanas” e afirmou que os participantes “serão responsabilizados, assim como os financiadores, instigadores e os anteriores e atuais agentes públicos coniventes e criminosos, que continuam na ilícita conduta da prática de atos antidemocráticos.”

“O comportamento ilegal e criminoso dos investigados não se confunde com o direito de reunião ou livre manifestação de expressão e se reveste, efetivamente, de caráter terrorista, com a omissão, conivência e participação dolosa de autoridades públicas (atuais e anteriores), para propagar o descumprimento e desrespeito ao resultado das Eleições Gerais de 2022, com consequente rompimento do Estado Democrático de Direito e a instalação de um regime de exceção”, acrescentou.

Antes da decisão de Moraes, o Presidente Lula da Silva já havia decretado uma intervenção federal na área de segurança pública do Distrito Federal. 

Apoiantes do ex-presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, invadiram e vandalizaram no domingo as sedes dos três poderes do país em Brasília, obrigando a intervenção federal para repor a ordem e suscitando a condenação da comunidade internacional.

A Polícia Militar conseguiu, entretanto, recuperar o controlo da sede do Supremo Tribunal Federal, do Congresso e do Palácio do Planalto, assim como desocupar totalmente a Praça dos Três Poderes, na capital brasileira, numa operação de que resultaram pelo menos  200 detenções.

A invasão começou depois de militantes da extrema-direita brasileira apoiantes do anterior presidente, derrotado por Lula da Silva nas eleições de outubro passado, terem convocado um protesto para a Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

C/Lusa

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados