Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Polícia começou hoje a "desarmar" as empresas de seguranças Cuito: Detido cidadão que matou adolescente e deitou corpo na fossa Gangues tiram o sono aos moradores do Zango III Marginal “abatido” por supostos agentes do SIC na Estalagem
×

Empresas de Isabel dos Santos ‘engoliram’ milhões de dólares da Sonangol

Empresas de Isabel dos Santos ‘engoliram’ milhões de dólares da Sonangol


Se antes era uma dúvida, agora é uma certeza. Muitas empresas ligadas a Isabel dos Santos, a filha do ex-presidente José Eduardo dos Santos, até bem pouco tempo, tida como a mulher mais rica de África, abocanharam muitos milhões que a petrolífera angolana Sonangol pagou para consultorias.

Por: Marlita Domingos

A revelação foi feita, como quase sempre acontece, desde que Isabel dos santos perdeu a ‘coroa’ em Angola, com a queda aparatosa de José Eduardo dos Santos da Presidência angolana, cujos contornos acabaram por ser nefastos à Família Dos Santos e a sua entourage, por alguns meios de comunicação social portugueses, entre eles, o Expresso e a SIC.

Nesta nova revelação, que aliás, nem chega a ser tão nova se termos em linha de conta que muitos midias angolanos, jornalistas investigativos angolanos e mesmo activistas denunciavam alguns tentáculos de empresas ligadas a filha do ex-presidente angolano com aquelas onde o dinheiro da ‘mina de ouro’ – embora venha de lá muito petróleo – era canalizado para consultorias e distribuição de bens e serviços, dentre elas a rede de supermercados Candandu.

Na revelação desta semana, pelo menos, 20 milhões de dólares pagos pela Sonangol por consultoria foram parar a empresas ligadas à Isabel dos Santos, à data dos factos, presidente do Conselho de Administração da maior empresa do país.

O contrato que obrigou a Sonangol a pagar os serviços de consultoria, passados e futuros, foi assinado dias antes da filha do antigo Presidente José Eduardo dos Santos ser afastada da empresa.

O dinheiro saiu de um montante de 131 milhões de dólares que a companhia offshore Ironsea/Matter, sediada no Dubai e usada como intermediária nos pagamentos de serviços de consultoria à Sonangol, recebeu da empresa,

Além dos 20 milhões que depois foram parar a empresas ligadas a Santos, 68 milhões de dólares destinaram-se a outras consultoras internacionais: BCG (31,2 milhões), PwC (21,4) e McKinsey (15,4).

Ainda foram pagos 5,3 milhões de dólares ao escritório de advogados Vieira de Almeida.

Estas revelações foram feitas pelo jornal português Expresso na sua edição desta sexta-feira, 12, e a estação televisiva de Portugal SIC apresentará uma reportagem alargada na sua emissão da noite.

Divisão do dinheiro

Num montante de 20 milhões de dólares que foram distribuídos pela Matter por várias pequenas consultoras e empresas em Portugal, destacam-se aquelas que têm relações directas com Isabel dos Santos: houve 1,9 milhões de dólares transferidos para a Fidequity e para a Santoro, sendo que ambas pertencem à empresária e ambas, mais uma vez, eram dirigidas por Mário Leite da Silva.

Outros 3,4 milhões de dólares foram transferidos para a sucursal portuguesa da Youcall, uma empresa angolana de recursos humanos em que Isabel dos Santos detinha uma quota de 70% e Paula Oliveira os restantes 30%.

Esse valor faz parte de um total de 6,2 milhões de dólares pagos pela Matter a três companhias ligadas à acionista portuguesa da companhia offshore do Dubai.

As outras duas, a SDO Consultores e a PCFCNO, são controladas apenas por Paula Oliveira e receberam 1,1 milhões e 1,7 milhões de dólares, respectivamente.

A PCFCNO, que teve direito à maior fatia, representa o nome completo da empresária, Paula Cristina Fidalgo Carvalho das Neves Oliveira, e é uma empresa com apenas um funcionário e que foi incorporada na ilha da Madeira em Agosto de 2017, três meses antes de receber o dinheiro do Dubai.

A investigação revela ainda que também foram pagos através do Dubai 11,5 milhões à Odkas, uma outra consultora sediada na Madeira e que é detida em 49% pela mulher de Mário Leite da Silva, tendo prestado serviços relacionados com o software de gestão (SAP) da Sonangol.

Neste emaranhado financeiro, boa parte do dinheiro da Sonangol saiu de uma conta da petrolífera no Eurobic em Lisboa, passou pela conta da Matter no Dubai e voltou depois para a capital portuguesa, tendo sido distribuída por uma série de contas em diversos bancos.

Na altura, Isabel dos Santos disse ter preferido recorrer a uma empresa intermediária no Dubai foi porque dessa forma poupou dinheiro à Sonangol.

Contrato forjado?

O Expresso e a SIC revelam que o contrato entre a Matter e a Sonangol “foi forjado em Londres, na subsidiária britânica da petrolífera angolana, a 10 de Novembro de 2017, cinco dias antes de Isabel dos Santos ter sido despedida da Sonangol pelo então recém-nomeado Presidente angolano João Lourenço”.

O contrato obrigava a Sonangol a pagar à Matter todos os serviços de consultoria passados e futuros fornecidos à petrolífera, sem limites de valor.

Este contrato, bem com as transferências bancárias e outros factos, incluindo quase 58 milhões de dólares transferidos para o Dubai a 16 de Novembro de 2017, no dia a seguir ao afastamento da filha de José Eduardo dos Santos, levaram o Ministério Público angolano a constituir como arguidos Isabel dos Santos, o marido Sindika Dokolo, falecido em Outubro passado, o gestor Mário Leite da Silva, amiga Paula Oliveira e um antigo funcionário da PwC, Sarju Raikundalia, que se tornou administrador financeiro da Sonangol e que foi quem protagonizou o contrato em Londres.

Os cães ladram e a caravana passa

Contactado por aqueles meios de comunicação, e pelo Na Mira do Crime, por telefone, Isabel dos Santos preferiu o silêncio, enquanto Carlos Russo, accionista maioritário e administrador da Odkas, nega que a consultora tenha sido selecionada pelo facto de a sua sócia ser casada com o administrador da Matter.

Paula Oliveira enviou um esclarecimento de 22 páginas, em que nega ter sido “testa de ferro de quem quer que seja”, e garantiu que “a prestação de serviços à Sonangol, quer diretamente quer através da Matter, inseriu-se numa lógica puramente empresarial, racional e de aproveitamento de uma oportunidade de negócio muitíssimo atraente”.

A empresária reitera que, “todo o dinheiro que a Matter recebeu da Sonangol era-lhe devido” e “a insinuação de que não foram prestados os serviços que foram faturados pela Matter à Sonangol é não só insultuosa” como “é profundamente falsa”.

Por seu lado, Mário Leite da Silva assegura que não houve nada de errado no esquema usado e que “no final a Sonangol ficou a ganhar e muito com a intervenção da Matter”.

*Com agências

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados