Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Participação do PR na 76ª sessão das Nações Unidas custa 2 biliões e 500 milhões de kwanza aos cofres do Estado Detidos marginais que simulavam serviço de táxi e roubavam telemóveis aos passageiros Assaltos à mão armada: Motoqueiros armados com AKM tiram o sono as Forças de Defesa Segurança Huíla: Detidos cidadãos com mais de 2 milhões de dólares falsos
×

585 crianças foram violadas sexualmente em Angola nos primeiros três meses deste ano

585 crianças foram violadas sexualmente em Angola nos primeiros três meses deste ano


Um total de 585 casos de violência sexual contra a criança foi registado, durante o primeiro trimestre deste ano, em todo o país, revelou,  em Luanda, a directora-adjunta do Instituto Nacional da Criança (INAC).

Elisa Gourgel, que falava durante uma palestra subordinada ao tema "A Prevenção e Combate à Violência Sexual contra a Criança”, organizada pela associação "Okwimba”, referiu que dos 585 casos, pelo menos, 400 já foram encaminhados a tribunal para o devido tratamento judicial.

A directora-adjunta reconheceu que o INAC está preocupado com o número de casos diários de crianças maltratadas e violentadas sexualmente por adultos em casa, na rua, na escola e em outros ambientes.

"É de lamentar! Diariamente, ouvimos e recebemos denúncias de vários casos de crianças que são molestadas por adultos que podiam ser os protectores, cuidadores e instrutores das nossas crianças”, lamentou Elisa Gourgel.

De acordo com a directora-adjunta do INAC, a situação é mais preocupante ainda, quando os casos de violência sexual não só acontecem no seio familiar, mas, agora, envolvem protagonizados membros de igrejas e de instituições escolares.

Para Elisa Gourgel, esta prática coloca em perigo o desenvolvimento absoluto da criança. Por isso, reforça a ideia de que "ao menor deve ser dado todo o carinho, atenção e, acima de tudo, o respeito que ela merece”.

A responsável do INAC alertou as famílias, particularmente aos progenitores, para reflectirem sobre a necessidade de reforçarem os cuidados e a vigilância que se deve dar aos filhos enquanto menores. "Só assim as crianças crescerão saudáveis. E os pais precisam de ser mais activos e fiscalizadores dos meninos, para que possam conhecê-los melhor”, defendeu a directora-adjunta do INAC.

C/JA

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados