Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Participação do PR na 76ª sessão das Nações Unidas custa 2 biliões e 500 milhões de kwanza aos cofres do Estado Detidos marginais que simulavam serviço de táxi e roubavam telemóveis aos passageiros Assaltos à mão armada: Motoqueiros armados com AKM tiram o sono as Forças de Defesa Segurança Huíla: Detidos cidadãos com mais de 2 milhões de dólares falsos
×

Casa de Segurança ‘descobre’ centenas de funcionários fantasmas e desvios milionários no INAD

Casa de Segurança ‘descobre’ centenas de funcionários fantasmas e desvios milionários no INAD


Desde Junho do ano em curso que o Instituto Nacional de Desminagem (INAD), está com atrasos salariais. Em causa, de acordo com fonte do NA MIRA DO CRIME, está o número de funcionários fantasmas descobertos pela Casa Militar do Presidente da República.

De acordo com a fonte, havia na presidência uma maquete que ilustrava a construção do Centro de Desminagem situado no Cuanza Norte, algures no município de Zenza do Itombe.

No entanto, em visita recente do actual Ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do PresidentedaRepública, General Francisco Pereira Furtado, na realidade o que existe é apenas uma uma estrutura de pau-a-pique. Esta descoberta deu lugar ao cadastramento de todos os efectivos.

Dos 16mil e 800 homens inscritos na folha salarial, apenas  4 e 200 existiam de facto, o que terá levado mihões de kwanzas dos cofres do Estado.

Recentemente, soube o NA MIRA, alguns funcionários do INAD foram surpreendidos com valores avultados nas suas contas bancárias.

O INDA, e a forte especial de Comando Chacal, são apontados por principais vetores de fuga de milhões de kwanzas da Presidência.

Mudanças radicais

Em Junho do ano em curso, durante o empossamento de novos membros do governo, o Presidente da República, João Lourenço, exigiu ao General Furtado "mudanças radicais" no cadastramento dos efectivos de todos os órgãos de Defesa e Segurança Nacional.

João Lourenço exigiu ao ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Francisco Pereira Furtado, coragem e vontade de mudar "radicalmente" a metodologia de controlo dos efectivos dos órgãos de Segurança no país.

“Tal como no quartel, na parada, quando se chama pelo soldado, o soldado responde presente. Uma das suas missões é chamar pelos efectivos para que todos respondam presente", realçou .

João Lourenço lembrou que todos aqueles que recebem salários do Estado devem, necessariamente, estar presentes. "A não acontecer isso, podemos concluir, imediatamente, que estamos perante a um efectivo fantasma", afirmou.

Limpeza dos “fantasmas”

Segundo o Chefe de Estado angolano, uma das tarefas do novo ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança é justamente "limpar todo o efectivo fantasma" que existe nos órgãos de defesa e segurança.

Detenções

Em Julho deste ano, mais de 20 pessoas, entre as quais o comandante da Casa de Segurança do Presidente da República no Cuando Cubango, coronel Manuel Correia, o presidente do Cuando Cubango Futebol Clube, capitão Atanásio Lucas José, e seis oficiais ligados à área de pessoal e quadros da Casa de Segurança no Cuando Cubango, que, de acordo com o porta-voz da PGR, depois de serem ouvidos, foi-lhes aplicada a medida de coação de prisão preventiva.

No acto de detenção, no âmbito da "Operação Caranguejo", foram também encontradas e apreendidas elevadas somas em kwanzas guardadas em contentores.

Estas detenções resultam das diligências em curso no processo aberto, desde que em Maio passado foi detido em Luanda o chefe das finanças da banda musical da Presidência da República, major, Pedro Lussaty, que supostamente se preparava para saír do País com elevadas quantias em dinheiro.

Na sequência da investigação, o Presidente da República exonerou sete oficiais da sua Casa de Segurança e demitiu o responsável máximo e ministro de Estado, Pedro Sebastião.

INAD

Por força do seu Estatuto Orgânico, aprovado pelo Decreto Presidencial no 213/14, de 21 de Agosto, o Instituto Nacional de Desminagem abreviadamente desigando por INAD, é uma pessoa colectiva pública do sector administrativo ou social, dotado de personalidade jurídica e de autonomia administrativa, financeira e patrimonial que visa a execução das actividades de desminagem, sensibilização sobre o perigo de minas, pesquisa, marcação, inovação tecnológica e destruição de stocks, por forma a permitir a livre circulação de pessoas, bens e mercadorias e o desenvolvimento sócio-económico do País.

O Instituto Nacional de Desminagem está sujeito à tutela e superintedência do Executivo, exercidas pelo Titular do Departamento Ministerial responsável pela Acção Social, Família e Promoção da Mulher.


O INAD foi criado aos 6 de Março de 1995, em reunião do Conselho de Ministros, ao abrigo do Protocolo de Lusaka entre o Governo de Angola e a UNITA e foi publicado o seu Estatuto Orgânico no Decreto no 14/95, de 26 de Maio, e a sua constituição foram os seus primeiros integrantes os Ex-militares das FAPLA e FALA.

 

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados