Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

UNITA mantem Congresso para Dezembro e suspende militantes que impugnaram o processo   DIIP desmantela rede de tráfico de seres humanos Mais de 90 quilos de cocaína e crack incinerados pelo SIC Segurança encontrado morto com tiro na cabeça no Cazenga
×

Lussaty e companhia começam a ser julgados em Dezembro

Lussaty e companhia começam a ser julgados em Dezembro


De acordo com a RNA que cita fonte da Procuradoria-Geral da República, o Ministério Público já formalizou a acusação, e o Tribunal deve começar a julgar os acusados a partir do próximo mês. Neste caso, o Major Lussaty é o principal rosto do processo Nº 39/21.

Estão ainda arrolados ainda vários oficiais das Forças Armadas Angolanas, com destaque  Edelfonso Ferraz, Domingos  António, Joaquim Amado e Evaristo Cambande, todos detidos.

Os visados, são acusados de lesar o Estado angolano em milhares de dólares, com processamento de salários de alegados funcionários fantasmas da Banda de Música da Presidência da República, da empresa de Desminagem, da Unidade Chacal e de toda Secretaria Geral da Casa de Segurança do Presidente da República.

Atanásio Lucas, ex-presidente do Kuando Kubango Futebol Clube, é também acusado de ter inscrito 38 jogadores na folha de salário da Casa de  Segurança do PR.

Lembra-se que em Maio do ano em curso,  oficial das Forças Armadas Angolanas (FAA) ao serviço da Presidência da República, major Pedro Lussaty, foi apanhado, a sair do país com 10 milhões de dólares e quatro milhões de euros.

 Ao ser detido no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, em Luanda, o também chefe das Finanças da banda musical da Presidência da República, não justificou a origem do dinheiro.

Uma fonte da Casa de Segurança da Presidência da República revelou à VOA que a operação integra "um esquema antigo em que estão envolvidos muitas altas patentes" das FAA.

Segundo a fonte, o major Pedro Lussaty vinha a ser seguido após um negócio com o general Bento Kangamba, quem lhe terá vendido uma residência na Espanha.

Quando as autoridades espanholas alertaram as suas congéneres angolanas sobre a existência de um novo dono da referida residência, o major Lussaty foi notificado três vezes mas não compareceu, e, de lá para cá, as autoridades judiciais passaram a segui-lo e "fizeram o devido levantamento da sua ficha em Luanda".

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados