Corrupção na Esquadra do Hoji-ya-Henda: PGR ‘iliba´ procurador e atira culpas à funcionária d - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Filho mata a mãe ‘por engano’ no Huambo Lussaty e companhia começam a ser julgados hoje Mais de 40 corpos encontrados num camião abandonado no Texas Beneficiários do BPC Salário descontentes com morosidade denunciam actos de corrupção
×

Corrupção na Esquadra do Hoji-ya-Henda: PGR ‘iliba´ procurador e atira culpas à funcionária da instituição

Corrupção na Esquadra do Hoji-ya-Henda: PGR ‘iliba´ procurador e atira culpas à funcionária da instituição


A Procuradoria-Geral da República (PGR), reagindo à notícia publicada pelo NA MIRA DO CRIME na edição de ontem, quarta-feira, 22, sobre o envolvimento do procurador da Esquadra do Hoji-ya-Henda, município do Cazenga, num esquema de corrupção (https://www.namiradocrime.info/show/6144) fez sair um comunicado ilibando o magistrado, e atirando todas as culpas a uma suposta funcionária da mesma instituição, que terá recebido dinheiro de uma cidadã para soltura de dois detidos.

Por: Carla Nayara  

A nota, diz que a PGR tomou conhecimento do referido caso na quinta-feira, 16, depois da apreensão de valores nas mãos da funcionária aos serviços da Procuradoria, tendo de seguida sido aberto um processo de inquérito para aclarar a denúncia.

No dia 17, refere o comunicado, O Inspector da PGR nomeado para o efeito, deu inicio aos trabalhos visando apurar eventuais responsabilidades.

No relatório preliminar do inquérito, continua a nota, aponta que “os valores em causa teriam sido recebidos pela funcionária como garantia de pelo Magistrado competente, de modo a permitir a sua soltura imediata”.

Esta atitude da funcionária, diz a PGR, não corresponde com os procedimentos estabelecidos para o processo de depósitos de valores arbitrados a títulos de cauções que, em princípio, é feito directamente pelos familiares junto dos bancos.

Assim sendo, a instituição recusa que o magistrado tenha sido apanhado em flagrante, e atira todas as culpas a outra funcionária, que não tem competência de soltar um detido.

Nestes termos, a PGR garante que o inquérito prossegue, com vista a apurar eventuais responsabilidades disciplinares ou criminais.  

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados