Imunidades no fim: Manuel Vicente pôs-se ao “fresco” e a culpa pode “morrer solteira” - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Capturados marginais que violaram professora de 54 anos de idade, vítima foi golpeada com martelos na cabeça TALATONA: Marginais vestidos com coletes do SIC sequestram irmãs e pedem resgate de 2 milhões de Kwanzas DIIP-Zango detém marginal altamente perigoso de nome “Boutique” Grupo de marginais “Craveras” e “Os Tribunais” controlam parte do Zango 4
×

Imunidades no fim: Manuel Vicente pôs-se ao “fresco” e a culpa pode “morrer solteira”

Imunidades no fim: Manuel Vicente pôs-se ao “fresco” e a culpa pode “morrer solteira”


O nome de Manuel Vicente volta a ser um dos mais badalados do momento, sobretudo depois de a Procuradoria-Geral da República (PGR) ter feito a pronúncia de acusação de Manuel Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa” e Leopoldino Fragoso do Nascimento “Dino” relacionado com o chamado caso CIF, em que o ex-PCA da Sonangol e antigo vice-Presidente da República está envolvido. Com o fim das imunidades que o têm protegido nos últimos cinco anos (terminam em Setembro), terá preferido pôr-se ao “fresco” e “tirou o pé”

Por: Alves Pereira

Notícias postas a circular nas últimas horas, em vários quadrantes, referem que o antigo vice-Presidente da República, Manuel Domingos Vicente, abandonou o parlamento e ‘fugiu’ do país, para passar a viver, por tempo indeterminado, em Dubai, Emirados Árabes Unidos, com a sua família.

Fontes próximas ao regime, citadas pelas notícias, suspeitam que se tenha ausentado para não ser incomodado pela justiça angolana depois de Setembro próximo, que é o período em que terminam as suas imunidades.

Embora não tenha sido mencionado directamente, Manuel Vicente é a principal figura do fenomenal roubo na venda de petróleo à China, através do CIF (China International Fund), caso que a PGR já fez a pronúncia de acusação aos generais Kopelipa e Dino.

Manuel Vicente, no âmbito do combate à corrupção e conexos, não tem sido “mexido” pelas autoridades, considerando que ao longo dos cinco anos de mandato do Presidente João Lourenço, nunca a Procuradoria Geral da República disse algo acerca dos crimes que lhe são imputados, tanto em Angola como a nível internacional, salvo a alegação sobre uma suposta investigação às suas actividades. Porém, nada procedeu até aos dias actuais.

Enquanto vice-Presidente, Manuel Vicente beneficia de um estatuto especial que lhe proporciona imunidades, sendo uma delas a de “não ser incomodado pela justiça” depois de cinco anos após deixar o poder.

Igualmente, na condição de deputado à Assembleia Nacional pelo partido no poder (MPLA), também goza de imunidades.

Contudo, tanto umas como outras terminam em breve, Setembro próximo, depois da realização das eleições gerais.

Ao ver as “barbas do vizinho a pegar fogo” (no que toca aos comparsas Kopelipa e Dino), resolveu pôr “as suas de molho”, não vá o “diabo tecê-las” e, vai daí, pôs-se ao “fresco”, ou seja, abandonou o país e foi para Dubai, onde já se encontra a sua família e, de acordo com as notícias citadas, vai agora fixar residência.

As referidas notícias aludem que o antigo vice-Presidente remeteu, no inicio do ano, uma carta ao presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade dias dos Santos “Nandó”, comunicando que se afastaria do parlamento para ficar algum tempo em Singapura para tratamento médico.

Apesar de ter oficialmente comunicado que iria para Singapura, o antigo PCA da Sonangol passou a ser visto, com alguma frequência, a viajar para Dubai, onde a sua familia já reside desde finais de 2021. É caso para questionar: A culpa de Manuel Vicente “vai morrer solteira”?

 

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados