6,8 biliões de dólares: Álvaro Sobrinho acusado por fraude milionária ao BES Angola - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Capturados marginais que violaram professora de 54 anos de idade, vítima foi golpeada com martelos na cabeça TALATONA: Marginais vestidos com coletes do SIC sequestram irmãs e pedem resgate de 2 milhões de Kwanzas DIIP-Zango detém marginal altamente perigoso de nome “Boutique” Grupo de marginais “Craveras” e “Os Tribunais” controlam parte do Zango 4
×

6,8 biliões de dólares: Álvaro Sobrinho acusado por fraude milionária ao BES Angola

6,8 biliões de dólares: Álvaro Sobrinho acusado por fraude milionária ao BES Angola


Álvaro Sobrinho foi acusado pelo Ministério Público português, avança a CNN Portugal, num despacho com mais de 800 páginas em que os procuradores do DCIAP apontam ao antigo banqueiro, que presidiu ao BES Angola, o desvio de centenas de milhões de euros do banco para contas por ele controladas, nomeadamente na Suíça.

Sobrinho é acusado por crimes como burla agravada, abuso de confiança ou branqueamento de capitais, num esquema com recurso a testas de ferro através da concessão irregular de empréstimos, entre 2009 e 2013, de um total de 6,8 mil milhões de dólares (cerca de 6 mil milhões de euros ao câmbio atual).

O luso-angolano, recorde-se, está atualmente sujeito a uma caução de 6 milhões de euros, que pagou, e sem passaporte - só podendo circular no espaço Schengen. Foram estas as medidas impostas pelo juiz Carlos Alexandre quando Sobrinho for interrogado em março passado. Quanto à acusação, foi proferida no final da última semana, antes da entrada em férias judiciais.

Também Ricardo Salgado, ex-patrão do BES, deverá conhecer hoje nova acusação, por burla no processo de aumento de capital do banco em 2014. São dois processos diferentes, mas ambos correm termos no DCIAP.

Também Ricardo Salgado, ex-patrão do BES, deve conhecer hoje nova acusação, por burla no processo de aumento de capital do banco em 2014. São dois processos diferentes, mas ambos correm termos no DCIAP

C/CNN-Portugal

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados