Explicador acusado de abusar sexualmente alunas menores de 14, 8 e 6 anos de idade - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Capturados marginais que violaram professora de 54 anos de idade, vítima foi golpeada com martelos na cabeça TALATONA: Marginais vestidos com coletes do SIC sequestram irmãs e pedem resgate de 2 milhões de Kwanzas DIIP-Zango detém marginal altamente perigoso de nome “Boutique” Grupo de marginais “Craveras” e “Os Tribunais” controlam parte do Zango 4
×

Explicador acusado de abusar sexualmente alunas menores de 14, 8 e 6 anos de idade

Explicador acusado de abusar sexualmente alunas menores de 14, 8 e 6 anos de idade


Um cidadão nacional identificado por Francisco Garcia, mais conhecido por Papy, de 37 anos de idade, morador na rua do Sucesso, distrito urbano de Ngola Kiluanji, município do Cazenga, em Luanda, está ser acusado de ter abusado sexualmente de 3 menores de idade.

Por: Kihunga Bessa

As menores abusadas são Ângela de 14 anos de idade, Eugénia de 6 anos de idade (irmãs de pai e mãe) e Jaqueline  de 8 anos de idade, todas alunas do suposto professor que abriu uma sala de explicação onde, supostamente, acontecia o acto.

Paula Francisca David Jackson, mãe de duas das vítimas, informou ao NA MIRA DO CRIME que tudo aconteceu na quinta-feira (28), quando os familiares do seu esposo insurgiram violentamente contra ela acusando-a de ser colaboradora das acções do suposto professor.

A senhora alegou que era inocente das ocorrências e tomou conta apenas naquele momento em que a família de seu esposo, e o próprio esposo, quase a agrediram.

Paula disse não ter certeza se o dito professor abusava mesmo as menores.

Perguntando às menores, de forma tímida, diante dos pais, negaram as acusações das testemunhas.

Já Mauro Garcia, esposo de Paula e pai de duas das 3 menores, salientou que o suposto professor, diante de toda pressão e agressão sofrida, confessou que ainda não concretizara o acto sexual, mas sim introduzia apenas os dedos nos órgãos genitais das mesmas, algo que deixou irrtadíssimo o pai.

O cidadão referiu que participaram a ocorrência à Polícia a fim de prender o professor Papy. Porém, passadas 24 horas, o mesmo foi posto em liberdade, disse o pai bastante revoltado.

De seguida, a família levou as menores até a um centro médico onde realizaram testes de ginecologia que nada acusou, foram negativos. Mesmo assim os familiares continuam revoltados.

Inporta referir que duas das menores são irmãs e outra filha de uma vizinha, que aproveitavam o plano de férias na explicação do professor Papy que, por sua vez, é tio das duas, segundo dona Paula.

A nossa reportagem rumou para a esquadra do bairro 11 de Novembro, cita no município do Cazenga, para obter alguma exolicação sobre a situação, mas o Serviço de Investigação Criminal (SIC) informou que se trata apenas de uma suspeita sem provas.

O indivíduo foi acusado por uma das mães lesada e não apanhado em flagrante delito. Quanto aos exames apresentados, o cidadão goza de liberdade preventiva e o processo está aberto até que a família prove o contrário dos testes.

O SIC apela Aos familiares descontentes para que se faça mais exames médicos.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados