Detidas cidadãs por cárcere privado de menor que era drogada para prostituir-se - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

URGENTE: Acidente de viação no Patriota envolvendo 4 viaturas mata efectivo da PNA Governador de Luanda faz primeira visita de auscultação Detido cidadão que matou amigo e tentou desfazer-se do corpo queimando-o com plástico Fim de 'Balotelli' - Líder do grupo UTC morto à facada e cortado pénis pelo grupo rival
×

Detidas cidadãs por cárcere privado de menor que era drogada para prostituir-se

Detidas cidadãs por cárcere privado de menor que era drogada para prostituir-se


A Polícia Nacional, através de um mandado, deteve uma  cidadã, e sua amiga, pelo crime  de cárcer privado de uma menor de 14 anos de idade que era obrigada a postituir-se depois de drogada.

Por: Carla Nayara

A cidadã Chinda Loureço Miguel, solteira de  30 anos de idade, residente na Muxima, foi detida por efectivos afectos à BAC da SMIIP-Quiçama, em coordenação com o Núcleo do Posto Policial da Muxima, pelo crime de cárcere privado de menor e prostituição infantil com recurso à drogas.

O facto ocorreu desde o passado mês de Agosto, em datas não precisas, depois de a menor Maria Fernandes Miguel ter fugido, por motivos a apurar, da sua residência, localizada no município do Kilamba Kiaxi, bairro da Camama, onde vive com os seus pais, e foi instalar-se na Muxima, município da Quiçama, na residência de sua amiga, que reside com a respectiva mãe, identificada por dona Chinda, acusada e já detida.

Esta cidadã, que comercializa bebidas alcoólicas na sua residência, em conluio com sua amiga, Natália, também detida, persuadiam a menor a consumir bebidas alcoólicas misturadas com substâncias desconhecidas, supostamente, aproveitando-se da vulnerabilidade e ingenuidade da menina para, sob efeitos das drogas, obrigarem-na a prostituir-se e disso tirarem benefícios.

Depois da detenção das acusadas, diligências continuam para a detenção dos demais cidadãos citados pela menina, implicados nos factos, mas que se encontram foragidos.

As detidas serão presentes ao Dígno Magistrado do Ministério Público, para ulteriores procedimentos processuais. Enquanto isso, a menor, que já se encontra com a família, está a ser submetida aos respectivos exames médicos.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados