Dos 8 aos 15 anos: Cidadão de 41 anos viola a própria filha durante 7 anos, era “amor de pai” - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Novo aeroporto tem capacidade para movimentar 15 milhões de passageiros por ano LIMA realiza segunda reunião ordinária com olhos postos no empoderamento da mulher NOTA NEGATIVA: Péssimo trabalho do GCI-MININT condiciona trabalho da Imprensa Cidadão nigeriano detido pelas forças policiais de Belas com mais de cem placas electrónicas furtadas  
×

Dos 8 aos 15 anos: Cidadão de 41 anos viola a própria filha durante 7 anos, era “amor de pai”

Dos 8 aos 15 anos: Cidadão de 41 anos viola a própria filha durante 7 anos, era “amor de pai”


Efectivos do Serviço de Investigação Criminal (SIC), detiveram, na tarde desta segunda-feira, 07, no Distrito Urbano do Neves Bendinha, município do Kilamba Kiaxi, mediante denúncia anónima, um cidadão de nome Fezon Matias "Cambaio", de 41 anos de idade, pelo crime de abusado sexualmente a menor de 15 anos de idade, sendo a vítima sua filha primogénita.

Por: Carla Nayara

Segundo a adolescente, cujo nome vamos omitir, o pai, que já não vive com a mãe da menina, todas as noites dirigia-se até ao seu quarto e abusava da mesma.

“Ele fazia isso constantemente, ele pensava que eu estava a dormir, mas eu via e sentia tudo, mas depois passou a fazer isso eu estando acordada e só dizia filha não me leva a mal, porque é amor de pai”.

 Segundo a vítima, quando mais pequena, o pai entrava no seu quarto e colocava os dedos nos seus órgãos genitais.

Tudo começou aos 8 anos de idade

“A primeira vez que ele meteu o pénis em mim, foi quando estávamos a sair da praia, tirei a toalha para ir banhar e ele me agarrou, atirou para cama e começou a fazer em mim”, recordou.

Segundo a nossa entrevistada, sempre que estivesse de férias e pedisse para ir passear em casa da sua mãe, o pai recusava.

“A minha mãe ligava, mas ele não me contava”.

No entanto, denúncia anónima soou o alarme das autoridades que interveio rapidamente no caso.

De acordo com o Porta-voz do SIC-Geral, Superintendente-chefe de Investigação Criminal Manuel Halaiwa, a menor vai ser submetida a Exame Médico Forense e acompanhamento psicológico, na Direcção de Medicina Legal do SIC.

Quanto ao cidadão detido, será presente ao Ministério Público para responsabilização criminal, enquanto decorrem outras diligências.

Todavia, o SIC encara esse fenómeno de abuso sexual com preocupação e especial atenção, pelo que apela a colaboração e denúncia permanente das famílias para a prevenção e repressão destes tipos de crimes, sobretudo por ocorrerem no seio da família.

 

 

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados