Negligência: Motoqueiro alvejado por marginais morre depois de ser “abandalhado” no Hospital Mu - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Novo aeroporto tem capacidade para movimentar 15 milhões de passageiros por ano LIMA realiza segunda reunião ordinária com olhos postos no empoderamento da mulher NOTA NEGATIVA: Péssimo trabalho do GCI-MININT condiciona trabalho da Imprensa Cidadão nigeriano detido pelas forças policiais de Belas com mais de cem placas electrónicas furtadas  
×

Negligência: Motoqueiro alvejado por marginais morre depois de ser “abandalhado” no Hospital Municipal de Cacuaco

Negligência: Motoqueiro alvejado por marginais morre depois de ser “abandalhado” no Hospital Municipal de Cacuaco


Um jovem de 28 anos de idade, que em vida respondia pelo nome João Pedro Sequeira, mais conhecido por yabá, morador do bairro Paraíso, município de Cacuaco, em Luanda, morreu no domingo, 13, no hospital Américo Boavida, alegadamente por negligência médica, no hospital municipal de Cacuaco, onde foi socorrido depois de ser alvejado por marginais.

Por: Kihunga Bessa

Segundo o pai do malogrado, João Pedro Sequeira, que falou em exclusivo ao NA MIRA DO CRIME, o seu filho exercia trabalho de moto-taxista cuja moto pertence a um cidadão morador no município do Cazenga.

No domingo, quando Yabá foi ao encontro do patrão para prestar contas, decidiu visitar os seus irmãos no Cazenga, onde ficou até às 19 horas.

No entanto, de regresso à casa, foi abordado por quatro marginais nas imediações da cerâmica, em Cacuaco, que se faziam transportar em duas motos e, na tentativa de se apoderarem da moto, efectuaram disparos, um dos quais atingiu uma senhora que passava na área.

Apercebendo-se do erro, os marginais atingiram o abdómen de Neto com dois disparos e, de seguida, puseram-se em fuga sem levarem a moto, por causa da população que se aproximava do local.

Yabá foi, de imediato, socorrido até ao hospital municipal de Cacuaco por volta das 20 horas, onde ficou até às 23 horas sem assistência nenhuma, apesar de ter perdido muito sangue.

Às 23 horas foi transferido para o hospital Américo Boa Vida.

"A culpa foi dos médicos do hospital municipal de Cacuaco porque o meu filho, apesar dos dois tiros que levou, ainda conseguia falar, mas o tempo que ficou sem assistência médica complicou o seu estado", acusou o pai, acrescentando que no Américo Boa Vida, os médicos fizeram tudo, mas o mesmo não aguentou, acabando falecer na segunda-feira, por volta das 2 horas.

 Familiares do malogrado estão revoltados com a atitude dos médicos do hospital municipal de Cacuaco, e pedem justiça.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados