Falso funcionário da Chevron detido por burlar hotéis no Lubango, Luanda e Namibe - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Mototaxistas tentam invadir Comando Municipal de Viana Sexo e bebedeiras no posto de Polícia: Agente da polícia espanca namorada no interior da esquadra Sobrinho que matou o tio por causa de 2 milhões de kwanzas condenado a 20 anos de cadeia Oito meses de Cadeia: Tribunal do Dande condena grupos de bandidos envolvidos em rixas
×

Falso funcionário da Chevron detido por burlar hotéis no Lubango, Luanda e Namibe

Falso funcionário da Chevron detido por burlar hotéis no Lubango, Luanda e Namibe


Um cidadão de 27 anos de idade, que se passava por funcionário da petrolífera Chevron, foi nesta quinta-feira detido por burlar unidades hoteleiras de referência da cidade do Lubango, onde levava uma vida de luxo.

De acordo com a Angop, foram vítimas do suspeito os hotéis Chick-chick, Zavula e Aldeamento Turístico da TAAG, com pretexto de ser funcionário da Chevron.

Mesmo sem apresentar identificação da empresa, usufruiu de estadia e alimentação por largos dias, sem pagamento e depois abandonou as unidade à socapa.

A informação foi avançada  pelo porta-voz da PN na Huíla, inspector-chefe Fernando Tongo, referindo que o cidadão em causa foi detido através de uma denúncia anónima chegada ao departamento de Investigação de Ilícitos Penais.

Fez saber que o cidadão começou a realizar as suas acções no início de Dezembro de 2021, no hotel Chick-Chick como cliente residente durante o mês, onde pagou dez dias e na altura do pagamento dos outros 21, fugiu deixando uma dívida de 777 mil Kwanzas.

Já no Aldeamento Turístico da TAAG ficou por uma semana, tendo acumulado uma dívida de 119 mil kwanzas, ao passo que no Zavula, o mesmo depois de realizar acção semelhante, a administração da unidade entrou em acordo com o cidadão para pagar o que devia, sem denunciá-lo.

A fonte declarou que fruto das investigações feitas pelo departamento foi possível determinar que o acusado já cometeu o mesmo delito nas províncias de Luanda e Namibe.

Na Huíla, as autoridades estimam que os hotéis perdem anualmente mais de cinco milhões de Kwanzas por burlas de hóspedes e para inverter o quadro passaram quase todos a exigir o pré-pagamento à entrada.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados