Alto índice de delinquência afugenta alunos das escolas do Kilamba Kiaxi - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

NOTA NEGATIVA: Chineses ‘avacalham’ angolanos em solo pátrio sob olhar impávido das autoridades Irmão de C4 Pedro e filho do PCA da Gesterra: Bandidos provenientes de famílias com ‘posses’ capturados durante assalto na Via Expressa Centro de Saúde 'Palanca II' com casas de banho sem condições de higiene Corrupção na Inspecção do Comando Geral: Trânsitos obrigados a pagar 600 mil Kwanzas para evitar processo disciplinar
×

Alto índice de delinquência afugenta alunos das escolas do Kilamba Kiaxi

Alto índice de delinquência afugenta alunos das escolas do Kilamba Kiaxi


Assaltos à mão armada e pilhagem são algumas marcas deixadas por marginais em algumas escolas do município do Kilamba Kiaxi, em Luanda. A situação enriquece relatos sobre a insegurança nesta circunscrição, deixando os moradores apreensivos.

Por: NA MIRA DO CRIME

Nos últimos meses, a onda de assaltos nas escolas do município do Kilamba Kiaxi, um dos mais populosos da província de Luanda, tem crescido de forma assustadora, cenário que já não acontecia há anos, e preocupa os directores, alunos, professores e encarregados de educação dos bairros do Palanca e Kapolo 2, que pedem mais presença policial por considerarem que a delinquência se tornou insuportável.

Uma fonte que não quis ser identificada reconhece que as autoridades têm conhecimento da situação, mas nada fazem para inverterem o quadro.

“Praticamente, a Administração Municipal e a polícia do distrito remetem-se ao silêncio; não tenho dúvidas que muitos pais e encarregados de educação venham retirar os filhos da escola devido às constantes ondas de assaltos”, disse a fonte.

Por exemplo, na escola n• 8024, Ex - 1213 no Palanca, o professor Bénis Pedro, diz que a delinquência juvenil tem levado muitos alunos a abandonar a escola, alguns porque enveredaram para este mundo e outros por medo, principalmente, no ensino nocturno.

“A escola, muitas vezes tem servido de palco para rixas entre grupos rivais, outras vezes são vandalizadas e os alunos são agredidos e desprovidos de bens por marginais”, disse um professor.

A directora do colégio Público N• 8023 Ex- 1212, no Palanca, Filomena Ramos, com o rosto desconsolado, disse que o momento que a escola vive é considerado triste, vergonhoso é humilhante.

“Não há segurança e ninguém gostaria de ver seu descendente a ser molestado, por isso, quando acontece, devo é apenas colaborar, ou seja, passar a transferência”, orientou.

Na Escola do Ensino Secundário, II ciclo “ Kapolo II” N• 6038, Emerson, nome fictício, diz que a situação não é diferente, apesar de ser uma escola que está dentro da unidade policial; os assaltos são constantes e a falta de iluminação não favorece, a partir das 17h; é um risco enorme passares por aí e os mais prejudicados são os estudantes e as pessoas que estão de passagem.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados