Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

UNITA mantem Congresso para Dezembro e suspende militantes que impugnaram o processo   DIIP desmantela rede de tráfico de seres humanos Mais de 90 quilos de cocaína e crack incinerados pelo SIC Segurança encontrado morto com tiro na cabeça no Cazenga
×

Jovens aderem manifestações violentas para pedir asilo alegando perseguição política

Jovens aderem manifestações violentas para pedir asilo alegando perseguição política


Nas últimas manifestações realizadas pela sociedade civil e por alguns partidos políticos, em Luanda, foi notório, por exemplo, a presença de cidadãos da República Democrática do Congo nos protestos da linha da frente.

Por: Belchior Resende

Numa conversa mantida por alguns ‘revús’, alguns deles cabeçarios de grupos de contestação, foi nos explicado que, para além desta forma de protesto ser  reclamar direitos dos cidadãos e chamar atenção a deveres do Estado que devem ser cumpridos, boa parte dos manifestantes, usa esse direito plasmado da Constituição de Angola para obter valores monetários e outros para pedir asilo em países europeus e nos Estados Unidos da América.

De acordo com os nossos entrevistados, é propositada a convocatória da imprensa estrangeira e nacional para cobrir os protestos.

“Quando há violência, quando a polícia agride manifestantes ou mesmo quando há mortes, a repercussão é maior, e quando os que estão na linha da frente são fotografados ou filmados, melhor, com estes vídeos, e quanto mais melhor, podemos nos deslocar em algumas embaixadas para pedir asilo, alegando perseguição política”, descobriu um manifestante residente no município do Cazenga.  

De acordo com um outro entrevistado que pediu anonimato, os países são escolhidos a dedo. “Os países onde o pessoal refere se exilar são França, Estados Unidos, Inglaterra e Bélgica...Portugal nem tanto porque volta e meia cede os caprichos de Angola”.

Toda via, contam, existem aqueles que aproveitam, mesmo não estando na linha da frente das manifestações tirarem algumas fotos junto dos manifestantes. “Alguns que têm família com dinheiro, ou possibilidade de trabalhar, participam nas manifestações, tiram fotos, depois viajam em países europeus e apresentam as imagens pedindo asilo, alegando perseguição política”.

 

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados