Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

UNITA mantem Congresso para Dezembro e suspende militantes que impugnaram o processo   DIIP desmantela rede de tráfico de seres humanos Mais de 90 quilos de cocaína e crack incinerados pelo SIC Segurança encontrado morto com tiro na cabeça no Cazenga
×

População quer mais presença: Deputados ‘invisíveis’ dão balanço positivo ao último ano legislativo

População quer mais presença: Deputados ‘invisíveis’ dão balanço positivo ao último ano legislativo


Numa altura em que a Assembleia Nacional faz um balanço positivo do ano legislativo findo, alguns cidadãos ouvidos pelo NA MIRA DO CRIME sugerem maior aproximação com os deputados, para estes identificarem melhor os problemas que merecem intervenção pontual nas comunidades.

Por: Lito Dias

Segundo o docente universitário, Afonso Freitas, o sucesso dos deputados não deve se circunscrever apenas no número de leis que propõem e aprovam, mas também na sua aproximação aos eleitores. "Muitos cidadãos nunca viram um deputado sequer na área de residência", ilustra.

Mais do que isso, acrescenta o estudante Rosário Loina, "muitos até, em sede da Assembleia Nacional, dão mau exemplo à sociedade o que é bastante reprovável".

Quanto a pouca presença dos deputados junto das comunidades, que nalguns casos são nula,  ele diz que essa apreciação não é nova.

"Ela decorre do conforto de quase toda classe política, que tem o hábito de pensar no cidadão apenas na época das campanhas eleitorais", verificou.

Para o cidadão Ernesto Mongwa, a Covid-19 não pode servir de pretexto para as insuficiências que se registaram e ainda se registam na acção dos deputados angolanos.

Ele defende que as forças políticas deviam privilegiar os jovens nas suas listas de candidatos a deputado, "porque eles, os mais novos queiram ou não, têm sangue novo a pulsar nas suas veias".

Parlamento elogia prestação

O Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, considera que os deputados deram o melhor de si na actividade legisferante, apesar das dificuldades que são de âmbito internacional.

Na hora do balanço, os parlamentares dizem que o ano foi produtivo tendo o MPLA tido seis iniciativas legislativas e a UNITA cinco.

No seu todo, a Assembleia Nacional realizou uma reunião plenária solene, 13 reuniões plenárias ordinárias, 10 reuniões plenárias extraordinárias, uma reunião plenária ordinária do Grupo Interparlamentar da Assembleia Nacional, 11 reuniões da mesa da Assembleia Nacional, 13 conferências dos Presidentes dos Grupos Parlamentares, e 11 reuniões dos Presidentes das Comissões de Trabalho Especializadas, 68 reuniões Ordinárias, 22 reuniões extraordinárias e 32 reuniões de direcção das Comissões de Trabalho Especializadas, 8 reuniões de direcção do Grupo de Mulheres Parlamentares, 8 reuniões ordinárias e 5 reuniões extraordinárias do Conselho de Administração da Assembleia Nacional.

Outro assunto registado na quarta sessão legislativa foi o regresso dos debates mensais à agenda do parlamento, contabilizando dois sob proposta do Grupo Parlamentar do MPLA e da Coligação CASA-CE.

De salientar que por conta da Covid-19, o Presidente da Assembleia Nacional não realizou deslocações, em missão de serviço, para o exterior do país. Ainda assim, foi desenvolvido, por videoconferência, um conjunto de actividades, tanto a nível bilateral como multilateral, destacando-se um maior envolvimento dos deputados na melhoria das relações parlamentares internacionais.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados