Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Promotores de prostituição de adolescentes detidos em Luanda Desmantelada rede de tráfico de marfim no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro Detidos efectivos das Forças Especiais que comercializam munições de AKM Polícia começou a "desarmar" empresas de segurança
×

UNITA acusa MPLA de interferir no processo de destituição do seu líder

UNITA acusa MPLA de interferir no processo de destituição do seu líder


Ao considerar que a iniciativa de congregar patriotas numa “Frente Unida” é composta, entre outros, pela UNITA, “cujo líder tem o seu lugar por um fio”, o MPLA está a ser acusado de interferir nas decisões dos órgãos de justiça.

Por: Lito Dias

Em comunicado produzido está terça-feira, 17, o Comité Permanente da Comissão Política do partido do Galo Negro, considera um processo forjado pelo partido no poder a correr no Tribunal Constitucional.

Depois de algumas semanas, da reunião do Bureau Político do MPLA, onde se produziu um comunicado que dirigiu críticas à Frente Unida, o CP veio a terreiro, analisando a situação socioeconómica e política do país, tendo se referido ao processo de destituição de Adalberto Costa Júnior, em curso no Tribunal Constitucional.

Mal aquela instância judicial reagir, a UNITA diz que não se deixarão intimidar por tais práticas.

 "A UNITA e os angolanos "continuarão empenhados para que a Democracia triunfe e o Estado de Direito seja um facto em Angola, com vista a proporcionar aos angolanos, dignidade, paz, justiça social, reconciliação nacional e desenvolvimento sustentável", sublinha.

Para este partido, a "insistente e vil campanha de combate à figura do Presidente da UNITA, Engenheiro Adalberto Costa Júnior, eleito democraticamente pelos delegados ao XIII Congresso Ordinário do Partido, não tem a mínima sustentação jurídica", assevera.

No documento, o Comité Permanente da Comissão Política tranquiliza os membros, simpatizantes, amigos e os angolanos em geral que a eleição de Adalberto Costa Júnior ao cargo de Presidente do Partido, obedeceu à Constituição, à Lei dos Partidos Políticos, aos Estatutos da UNITA e aos regulamentos do Congresso Ordinário.

Sobre a alegada falta do documento que renuncia a nacionalidade portuguesa, este órgão deliberativo do maior partido na oposição esclarece, "mais uma vez" que o documento de renúncia da nacionalidade adquirida por Adalberto Costa Júnior é datado de 11 de Outubro de 2019 e o apuramento de candidaturas teve lugar no dia 21 de Outubro de 2019, ou seja "aquando do apuramento das candidaturas, Adalberto Costa Júnior era detentor de uma só de nacionalidade angolana originária".

A UNITA, diz o documento, reitera o seu apoio Incondicional ao seu Presidente Adalberto Costa Júnior, encorajando-o a trabalhar com todos "os patriotas para tornar as esperanças dos angolanos em certeza de alternância".

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados