Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Capturado mentor do assalto ao camião de trigo na Via Expressa Dirigentes da UNITA temem concorrer com ACJ para não serem rotulados como traidores Exclusivo: Sakala e Katchiungo ‘escondem’ a sete chaves cartada final para o Congresso da UNITA Cazenga: Jovem encontrado morto com os dedos cortados e um rasgão com a letra M nas costas
×

Direcção da CASA-CE dividida quanto ao ingresso na Frente Patriótica Unida

Direcção da CASA-CE dividida quanto ao ingresso na Frente Patriótica Unida


As últimas declarações do Presidente da CASA-CE, Manuel Fernandes e do líder do seu Grupo Parlamentar, Alexandre Sebastião André, elucidam ausência de sintonia entre ambos, no entendimento de várias matérias de interesse nacional. Até têm posições diferentes sobre a sua relação com a Frente Patriótica Unida da oposição.

Por: Lito Dias

Nos dias que correm, o ambiente político está agitado ao ponto de matérias eleitorais suscitarem maior interesse, não só de políticos, mas também da sociedade, no geral.

Daí a necessidade de os actores terem ideias claras para não confundirem o eleitorado. Até pode ser benéfico ou prejudicial para quem queira concorrer, uma vez que se abra ou se feche ao público.

Nos últimos dias, a liderança da Coligação CASA-CE, contra todas expectativas, mostrou que não alinhavou ou tem muito que fazer para alinhavar a sua estratégia eleitoral.

O caso mais prático dessa conclusão prende-se com o facto de o seu líder Manuel Fernandes ter um discurso mais ou menos hostil ao surgimento da Frente Patriótica Unida para a Alternância em Angola.

Há dois meses, para além de, peremptoriamente, ter referido que tal projecto não teria pernas para andar, asseverou que a coligação que dirige nem tinha sido contactada, nem tinha intenção de abraçar tal iniciativa de Adalberto Costa Júnior, Justino Pinto de Andrade e Abel Chivukuvuku.

Para os apologistas da Frente, suspeitaram mesmo que talvez Fernandes tivesse intenções de fazer alianças com o MPLA, facto desmentido em recente entrevista do político aos órgãos de comunicação social.

Noutro polo está Alexandre Sebastião André, líder da bancada parlamentar que, com cautela, não encorajou os seus percussores a avançarem com a Frente.

Falando em conferência de imprensa conjunta da oposição Parlamentar, realizada no âmbito da rejeição da Lei que altera a Lei Orgânica Orgânica das Eleições, ASA, como é também chamado, disse ser um projecto novo e à medida que for crescer e criar as suas balizas, a CASA-CE deverá posicionar-se a favor ou contra o referido projecto.

"É cedo falarmos se a coligação CASA-CE vai ou não fazer parte da Frente, mas tempos acompanhado com algum interesse todo dosseir desse projecto", sublinhou.

Dito isto, é notória a dissonância entre essas duas figuras proeminentes da terceira força política em Angola com responsabilidades para uniformizar a linguagem.

Não é que aceitem o projecto ou rejeitem, mas que se uniformize a linguagem que reflicta a posição da coligação, no seu todo, e sirva de linha orientadora dos seus militantes.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados