Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Capturado mentor do assalto ao camião de trigo na Via Expressa Dirigentes da UNITA temem concorrer com ACJ para não serem rotulados como traidores Exclusivo: Sakala e Katchiungo ‘escondem’ a sete chaves cartada final para o Congresso da UNITA Cazenga: Jovem encontrado morto com os dedos cortados e um rasgão com a letra M nas costas
×

Governo de João Lourenço (Já) recuperou 5 biliões de dólares no combate à corrupção

Governo de João Lourenço (Já) recuperou 5 biliões de dólares no combate à corrupção


O Estado angolano recuperou, até agora, no âmbito do combate à corrupção, activos avaliados em mais de 5,3 mil milhões de dólares, dos quais 2,7 mil milhões em dinheiro e o restante repartidos em imóveis e títulos, revelou o vice-governador provincial de Benguela para o Sector Técnico e Infra-estruturas.

Adilson Gonçalves, que falava, quinta-feira, na abertura da conferência provincial sobre o papel da PGR e da IGAE no combate à corrupção no seio entre efectivos das forças de Defesa e Segurança, disse que,  desde 2018, mais de 1.500 processos foram investigados pelos órgãos judiciais, alguns dos quais já julgados, o que possibilitou a recuperação daqueles activos.

Lembrou que "o Executivo, ciente de que a corrupção abala os alicerces de qualquer sociedade, lançou, há mais de três anos, um conjunto de reformas, visando o combate àquele fenómeno”.

A estratégia nacional de combate à corrupção, esclareceu, visa a articulação e actuação conjunta de órgãos e entidades públicas e privadas que trabalham com a fiscalização, controlo e diligências, como forma de aperfeiçoar o combate aquele crime.

Adilson Gonçalves caracterizou a corrupção um "fenómeno universal, de efeitos nocivos ao desenvolvimento sócio-económico de qualquer país, que mina a confiança dos servidores nas instituições”. Disse tratar-se de "um fenómeno que deve ser prevenido e combatido”, o que "implica uma abordagem abrangente, integrada e articulada, com o envolvimento de toda a  sociedade”.

Informou que "o país continua a fazer parte de mecanismos internacionais, bem como trabalhar para a institucionalização de um conjunto de reformas nas instituições angolanas para que a prevenção e o combate à corrupção seja mais eficaz”.

O delegado provincial do Ministério do Interior, Aristófanes dos Santos, salientou que, no período de 2020/2021, a instituição identificou, instruiu e encaminhou aos órgãos de justiça 21 processos que envolvem efectivos das forças da ordem em actos ilícitos. No mesmo período, disse, houve 25 detenções, demitidos 10 agentes e seis que foram alvo de sanções disciplinares.

C/JA

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados