Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Capturado mentor do assalto ao camião de trigo na Via Expressa Dirigentes da UNITA temem concorrer com ACJ para não serem rotulados como traidores Exclusivo: Sakala e Katchiungo ‘escondem’ a sete chaves cartada final para o Congresso da UNITA Cazenga: Jovem encontrado morto com os dedos cortados e um rasgão com a letra M nas costas
×

Ex-militares licenciados à reserva no Huambo reclamam inserção na Polícia Nacional

Ex-militares licenciados à reserva no Huambo reclamam inserção na Polícia Nacional


Cerca de 400 ex-militares licenciados a reserva no Huambo que teriam como destino a Polícia Nacional dizem-se esquecidos pelas autoridades.

Por: Belchior Resende

Os antigos militares que falaram em anonimato a RD, dizem que o processo começou no ano 2018. “Em 2019 a nossa região conseguiu disponibilizar 125 homens, num total de quase 400 homens. Na altura o ministério do Interior alegou que o restante seguiriam o mesmo caminho”, no entanto, reclamam a morosidade da resolução de quem de direito.

“Organizamos uma manifestação em Dezembro de 2019, onde houve detenções e mortes, passaram dois meses, isso em fevereiro de 2020, e mais cinquenta homens foram enquadrados, saíram do Huambo para Luanda, mas desde aquela data que não se fala mais nada do nosso processo. Estamos aqui sem salários, sem alimentação, o local onde a região nos colocou para passar a noite, na unidade do ATS, não é um local condigno, há colegas a morrerem de fome, nos últimos meses, por exemplo, morreram duas pessoas de doença enquanto outros estão internados”, lamentaram.

 De acordo com os homens do gatilho, estão a ser obrigados a regressar para suas zonas de origens.

“Estão a nos obrigar a regressar para as nossas províncias, mas uma pessoa que estava acostumada a receber o seu dinheiro, era pouco, 23 mil kwanzas, mas era o nosso dinheiro e conseguíamos pagar os estudos dos nossos filhos, mas nos cortaram os salários e agora nos obrigam a regressar nas nossas sem nada?”, questionaram.

Os ex-militares ameaçam começar onda de manifestações para exigir os seus direitos

“Pedimos as instancias superiores que velam pelos nossos direitos, eles estão a dizer que quando a comissão da polícia chegar vamos fazer inspecção médica, mas estamos há dois anos a comer mal, estamos com os corpos a definhar, aqui já ninguém pesa 50 kg porque não temos uma dieta saudável, e com esta situação, temos colegas que estão a ficar gatunos... estão a roubar nos bairros para sobreviver, o governo não nos respeita, acho que isso só vai com manifestações, mas nós não estamos para confusão”, alertou.   

Em 2020, a Polícia Nacional suspendeu o processo de integração de ex-militares das FA devido à pandemia da Covid-19

Em Junho de 2020, a Direcção de Pessoal e Quadros da Polícia Nacional (PN) suspendeu  o processo de ingresso na corporação de ex-militares das Forças Armadas Angolanas (FAA) licenciados à reserva devido à pandemia do novo coronavírus.

Segundo o superintendente Gaspar Vicente, chefe de Departamento de Apoio Técnico da Direcção de Pessoal e Quadros da Polícia Nacional, o reinício do processo está condicionado ao evoluir da situação da Covid-19, mas tão logo estejam ultrapassadas essas questões, será retomado, para a sua conclusão, disse o oficial.

Segundo Gaspar Vicente, em Novembro de 2019 terminou a primeira fase da quarta etapa do processo, que teve um total de três mil ex-militares apurados. "Em Março de 2020, arrancou a segunda etapa, que visa a selecção de mais três mil tropas, cujo processo iniciou com os candidatos da Marinha de Guerra Angolana", disse.

O chefe da Direcção de Pessoal e Quadros pediu aos ex-militares, licenciados à reserva e candidatos a uma vaga na Polícia Nacional, a não adoptar comportamentos de desordem pública porque isso poderá comprometer o seu ingresso.

"Os que estão abrangidos neste processo não devem deixar-se convencer por falsas informações divulgadas nas redes sociais, visto que, qualquer comunicação em torno do mesmo, será oportunamente feita por intermédio dos órgãos competentes, designadamente a Direcção de Pessoal e Quadros da PNA e do Estado Maior General das FAA", referiu.

Em 2019, os ex-militares, que desde 2014 foram desmobilizados das FAA, fizeram duas manifestações em Luanda para reclamar a entrada na Polícia Nacional, tendo um outro protesto ocorrido na província do Huambo, com o mesmo propósito.

C/RD/NJ

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados