Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Cuito: Detido cidadão que matou adolescente e deitou corpo na fossa Gangues tiram o sono aos moradores do Zango III Marginal “abatido” por supostos agentes do SIC na Estalagem Treze pessoas devoradas por Jacarés no Cuando Cubango
×

Criminalidade na província de Luanda "está controlada" - Comandante-Geral

Criminalidade na província de Luanda "está controlada" - Comandante-Geral


O Comandante-Geral da Polícia Nacional, Paulo de Almeida, afirmou esta segunda-feira (27) que a situação da criminalidade na província de Luanda "está controlada" e que a corporação "está preparada para a resposta aos que insistem em subverter a ordem e a segurança das pessoas”.

Acção concertada e bem orientada para se criar um clima de instabilidade

 Paulo de Almeida, acredita que existe uma acção concertada e bem orientada para se criar um clima de instabilidade em Luanda e desencorajar todo o investimento.

A intenção, segundo o oficial, é criar um clima de instabilidade, sobretudo na consciência das pessoas, “acabar com a paz que todos nós queremos e inviabilizar todos os planos que o Governo está a desenhar para os próximos tempos”.

Se repararem bem na cronologia das coisas, prosseguiu, antigamente as pessoas buscavam nas redes sociais factos que aconteciam em outros países, afirmando que aconteceram em Angola, depois começaram a passar factos de anos passados, como se fossem casos recentes, não satisfeitos hoje estão a tentar dar uma imagem de que Angola é instável.

O Comandante -geral reafirmou que o país está estável e seguro, onde as instituições funcionam normalmente e as pessoas circulam em segurança, recordando que todos são responsáveis por esta segurança e naturalmente devem participar para que esta segurança pública seja efectiva.

Em sua opinião, existe uma certa motivação que precisa ser descortinada, apesar de, geralmente, o cometimento de crimes ser cíclico, com tendência de algumas vezes aumentarem e outras diminuírem.

Paulo de Almeida reafirmou que a polícia é uma instituição boa, de bem servir para garantir a segurança de todos os cidadãos, mas comparado a uma roseira que dá rosas de carinho e de solidariedade, mas que pica quando é mal tratada.

Segundo o oficial, a polícia vai passar agora a divulgar aquelas que são as suas  acções,” estávamos um pouco encobertos, não queríamos dar esta imagem que agora vamos passar, porque tem havido resposta” aos crimes cometidos.

Afirmou que a polícia está a fazer a sua parte e de facto a cumprir com o seu papel, dentro dos seus limites e das suas capacidades.

Actualmente a província de Luanda conta com 108 esquadras, um bom número em termo numéricos, mas não em termo de capacidade, pois a província tem uma população de oito milhões de habitantes, assistidos por um efectivo operacional que ronda os 10 mil agentes, adiantou.

C/JA/Angop

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados