Luanda acolhe 1º  Workshop Internacional sobre prevenção e tratamento do VIH nas cadeias - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Sexo e bebedeiras no posto de Polícia: Agente da polícia espanca namorada no interior da esquadra Sobrinho que matou o tio por causa de 2 milhões de kwanzas condenado a 20 anos de cadeia Oito meses de Cadeia: Tribunal do Dande condena marginais envolvidos em grupos de rixas Restos mortais do Comissário Eusébio repousam no campo santo da Sant’Ana
×

Luanda acolhe 1º  Workshop Internacional sobre prevenção e tratamento do VIH nas cadeias

Luanda acolhe 1º  Workshop Internacional sobre prevenção e tratamento do VIH nas cadeias


Luanda é a Capital do primeiro Workshop Internacional sobre prevenção, tratamento e seguimento do VIH no Sistema Penitenciário, que congrega países como África do Sul, Lesotho, Moçambique, Ruanda e a anfitriã Angola.

 Por: Matias Miguel

Em representação do ministro do Interior, Eugénio Laborinho, esteve Bernardo Pereira do Amaral Gourgel, Comissário Prisional Principal e Director Geral dos Serviços Prisionais.

Ao tomar a palavra, o anfitrião disse que o Sistema Penitenciário angolano controla 24 mil e 674 reclusos, dos quais 44 por cento são preventivos, 56 por cento condenados. 

“Em pleno funcionamento no país, encontram-se 40 estabelecimentos penitenciários, sendo dois unidades hospitalares. Um para tratamento de doenças somáticas e outra de doenças do fórum psiquiátrico”, disse.

Quanto ao género, a população penal angolana é maioritariamente masculina, com 97 por cento, estando as mulheres representadas apenas com 3 por cento.

O oficial, explicou que o total de reclusos jovens controlados pelo sistema penitenciário é de 28 por cento, estão na faixa etária dos 16 aos 21 anos de idade.

De acordo com Bernardo Gourgel, no cumprimento da declaração de UNGASS de 2001, que recomenda a 191 países membros para interagirem e dar respostas ao VIH/SIDA, o Estado Angolano tem prestado especial atenção a esta problemática.

“Temos dado atenção a assistência de várias ordens, em especial a médica e medicamentosa com VIH/SIDA e tuberculose, por serem doenças mais letais, como recomenda as Nações Unidas, hoje denominadas Regras de Mandela”, disse.

O workshop que começou na manhã de ontem, terça-feira, 10, numa das unidades hoteleiras da capital, encerra hoje, quarta-feira, 11.

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados