Sebastião Gunza orienta inspectores da IGAE a intensificar acções contra a corrupção - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

NOTA NEGATIVA: Chineses ‘avacalham’ angolanos em solo pátrio sob olhar impávido das autoridades Irmão de C4 Pedro e filho do PCA da Gesterra: Bandidos provenientes de famílias com ‘posses’ capturados durante assalto na Via Expressa Centro de Saúde 'Palanca II' com casas de banho sem condições de higiene Corrupção na Inspecção do Comando Geral: Trânsitos obrigados a pagar 600 mil Kwanzas para evitar processo disciplinar
×

Sebastião Gunza orienta inspectores da IGAE a intensificar acções contra a corrupção

Sebastião Gunza orienta inspectores da IGAE a intensificar acções contra a corrupção


Os inspectores da Inspecção da Administração do Estado (IGAE) foram instruídos, terça-feira, por Sebastião Gunza, a intensificar as acções de inspecção, controlo, sindicância e averiguação, incidindo a atenção para as contratações públicas.

A medida, segundo fez questão de assegurar o inspector-geral da IGAE, tem como objectivo mitigar as "violações aos princípios da transparência e concorrência”, com base nas quais ocorre o "enriquecimento ilícito” dos gestores, das Entidades Públicas Contratantes (EPC) ou de terceiros.

Ainda neste contexto, exortou os órgãos inspectivos da instituição a reforçarem a fiscalização, tendo em vista os desafios de assegurar que os bens e serviços recepcionados "sejam, efectivamente, os facturados ou contratualizados, qualitativa e quantitativamente”.

As acções da IGAE, disse, prende-se em certificar se, a nível das empresas públicas, administradores ou gestores utilizem de modo indevido, abusivo e ilegal as receitas arrecadadas ou geradas por conta e em nome do Estado.

Sebastião Gunza lamentou, por outro lado, o facto de serem "muitas vezes incompreendidos” pela maior parte dos agentes públicos sujeitos ao controlo interno. Considerou de "injusta” a postura de quem se opõe ao trabalho da instituição e encorajou os inspectores a "continuarem firmes e a prosseguirem com maior rigor a promoção da missão, visão e valores da IGAE”, dentro do espírito e limites da lei.

Asseverou o responsável que a instituição não medirá esforços em reforçar as acções de fiscalização "a todos os órgãos enquadrados no seu âmbito”, para promover e propor medidas sancionatórias de natureza administrativa, disciplinar ou outras, que lhe competirem, para se "expurgar da vida pública os gestores corruptos ou de mão comprida”.

A cerimónia de celebração foi marcada, entre outros, com a realização de um workshop, com três temas, nomeadamente: "O papel da IGAE na prevenção e combate às más práticas na Administração Pública; Compliance de protecção de dados pessoais pelo sector público; e o Contributo da IGAE na validação da dívida pública contraída fora do SIGFE.

Na ocasião, a direcção da instituição distinguiu com certificado de mérito e viatura, os 12 funcionários que se destacaram pela assiduidade, zelo e dedicação ao trabalho, durante o ano de 2022.

Representação nacional

Instado a fazer o balanço da actividade da instituição, nos últimos cinco anos, Sebastião Gunza revelou que a IGAE tem registado um crescimento substancial, do ponto de vista de recursos humanos, material e operacional, facto que considerou fundamental para a desconcentração das acções ao nível de todo o país.

A presença nas 18 províncias, disse, vai permitir uma maior efectivação das actividades de controlo interno, fiscalização, averiguação, sindicância e de auditoria, tendo em vista os desafios do aumento da eficácia e eficiência da actividade administrativa do Estado, boa gestão dos recursos humanos, financeiros e patrimoniais.

O inspector-geral da IGAE referiu, por outro lado, que as actividades da instituição não se resumem às denúncias e detenções. Sublinhou que as detenções são devidas a todos os cidadãos que se deparam com um acto ilícito e em flagrante delito. E, nesse particular, esclareceu não ser necessariamente apenas a IGAE a fazê-lo.

"No nosso caso particular, nos deparamos com a pequena e grande corrupção, suborno e outros. Isso é passível de detenção, quando em flagrante delito. Noutros casos, os cidadãos denunciam”, acrescentou, Sebastião Gunza, garantindo que, hoje, as áreas de actuação da instituição são alargadas e mais exigentes.

"A parte da IGAE com mais labor é, exactamente, a que tem a ver com os processos de averiguação, sindicância, inquérito e auditorias, que, pelo seu labor e especificidade, não vêm ao conhecimento do público, por estarmos sujeitos ao princípio da presunção de inocência aos implicados”, esclareceu.

Durante o início da IV Legislatura, ou seja, há cinco anos, a IGAE dedicou um período de abordagem pedagógica às instituições públicas, antes de começar a actuar na parte mais punitiva. Segundo o inspector-geral, tal atitude visou promover um conjunto de palestras e formações nos departamentos ministeriais, empresas públicas, institutos públicos e governos provinciais, no sentido de "advertir e exortar os agentes a trilharem por caminhos rectos e conforme a lei”, alertando-os a "nunca fazer aproveitamento próprio em detrimento da função que exercem”.

As festividades dos 31 anos de existência da IGAE, recorde-se, decorrem sob o lema: o reforço das boas práticas e da transparência na Administração Pública.

C/JA

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados