NOTA NEGATIVA: Brasil coloca Angola na rota do tráfico de drogas - Na Mira do Crime
Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

NOTA NEGATIVA: Chineses ‘avacalham’ angolanos em solo pátrio sob olhar impávido das autoridades Irmão de C4 Pedro e filho do PCA da Gesterra: Bandidos provenientes de famílias com ‘posses’ capturados durante assalto na Via Expressa Centro de Saúde 'Palanca II' com casas de banho sem condições de higiene Corrupção na Inspecção do Comando Geral: Trânsitos obrigados a pagar 600 mil Kwanzas para evitar processo disciplinar
×

NOTA NEGATIVA: Brasil coloca Angola na rota do tráfico de drogas

NOTA NEGATIVA: Brasil coloca Angola na rota do tráfico de drogas


Uma vez mais, Angola está na boca do mundo por motivos contraproducentes. O país está a ser descrito, em vários quadrantes internacionais, como um “narco-estado” que tem sido utilizado por traficantes de drogas para se constituir numa base logística para introduzir e abastecer outros países africanos e não só. Embora não se saiba ainda a verdadeira dimensão desta melindrosa situação internamente, tudo quanto tem sido revelado sobre o tráfico de drogas em Angola, constitui a Nota Negativa da semana.

Por: NA MIRA DO CRIME

Nos últimos dias as autoridades policiais e de investigação criminal têm efectuado diversas apreensões de droga no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, em Luanda, detendo os elementos que tentam introduzi-la no país, as “mulas”, como se diz na gíria do tráfico de drogas.

As apreensões de droga e as “mulas” que as transportam, de diversas formas, desde cápsulas ingeridas, como disfarçada em objectos diversos, roupas, cosméticos, entre outros, no aeroporto de Luanda, já datam de longos anos.

Já houve até o caso de uma considerada “raínha da droga”, detida pelo SIC no Cazenga e que traficava cocaína do Brasil para Angola e que depois era também enviada para a Namíbia.

Alega-se que é a mulher que “presumivelmente mais droga introduziu no território angolano e namibiano” e que tinha como cúmplice o seu esposo, um cidadão nigeriano de 40 anos, que foi também detido.

O casal liderava um grupo de que faziam parte funcionários da TAAG, polícias, militares e outros.

Geralmente, essa droga que tenta ser introduzida no país por essa via, é proveniente do Brasil, nomeadamente, de São Paulo, estado dominado pelo PCC, o maior e mais temível grupo de narcotraficantes daquele país, com tentáculos espalhados por vários países, principalmente europeus, incluindo Portugal, de onde também têm sido provenientes algumas remessas detectadas no 4 de Fevereiro.

Porém, as apreensões que são feitas no aeroporto são uma “gota” no oceano entre o que realmente chega ao país e entra sem ser detectado. Mas, como em outros países, a “grande porta” de entrada de drogas no país são os portos, destacando-se o de Luanda e o do Lobito.

Há alguns anos atrás, Angola já era apontada como a “rota de passagem” de droga para outros países, principalmente a África do Sul e Namíbia.

Na altura, apontavam-se altas patentes das Forças Armadas e da Polícia como estando por trás do tráfico, porque para o efeito era utilizado o aeródromo de Cabo Ledo, que era controlado pela Força Aérea e é uma base militar.

Alega-se que por Cabo Ledo entrava e saía muita droga e avultadas somas monetárias, geralmente transportadas por aeronaves de pequeno porte.

Outrossim, através de contentores de produtos alimentares e de material de construção civil, importados pelas grandes cadeias geridas por libaneses, tais como a Golfrate Holdings Lda, Afri Belg Comércio e Indústria Lda, Grupo Arosfran Empreendimentos e Participações Sarl, posteriormente rebatizada ‘Nova Distribuidora Alimentar e Diversos (NDAD)’, e outras de fachada, como a ‘Infornet Princesa’, tuteladas por Hatem Baraka, Kassim Tajideen, Abdul Hamid Assi, supervisionados pelo grupo Dar Al-Handasah, que tinha uma importante quota do mercado de distribuição alimentar, para além do sector da construção.

Todos estes indivíduos e grupos constam da lista de financiadores do terrorismo internacional dos Estados Unidos da América (EUA) e estiveram na base da decisão da Reserva Federal dos EUA de suspender a venda de dólares a bancos angolanos, devido a evidências de violação sistemática de regras de regulação e compliance do sector e suspeitas de que os dólares vendidos a Angola acabavam por ser desviados para financiar organizações terroristas como o ISIS, Al Qaeda e o Hezbollah. 

É sabido que todos eles beneficiavam, continuam a beneficiar, da protecção de altas individualidades das elites no poder, que tudo lhes têm permitido e que se associam aos seus “esquemas embusteiros”.

Portanto, não é de estranhar que determinados dirigentes, entre policiais e outros, estejam a ser acusados de envolvimento no tráfico de drogas.

Neste contexto, a sociedade questiona: Quem é quem em toda esta “salada”? Ou seja, quem comanda o tráfico de drogas em Angola? Quem são os potenciais beneficiários? Quais as relações que mantêm com o tráfico internacional, com que organizações e países?

Entre todas estas questões, o Brasil e o grupo PCC brasileiro, por tudo quanto se tem dito, são os principais fornecedores e mentores do tráfico que actualmente grassa por Angola.

Tal como Portugal foi “invadido” para ser a “base de lançamento” da droga para outros países da Europa e de outros continentes, também Angola está a ser constituída numa “base logística” para “abastecer” demais países africanos e não só.      

Mas o grande perigo para a sociedade angolana não reside só nisso. O país deixou de ser apenas uma rota, uma base para abastecer outros, passou a ser também consumista.

Se até pouco tempo era a liamba a droga de que mais se falava e mais se consumia a nível nacional, actualmente a cocaina, heroína, crack e outras substâncias, já são facilmente encontradas nos meios sociais angolanos e estão a ser consumidas em grande escala, principalmente por jovens.

Em relação a transportadores, receptadores, passadores ou vendedores, há muito que tem sido visível o enriquecimento repentino de determinadas figuras, desde políticos, militares, individualidades da sociedade civil, músicos e outros, que mesmo sem alguma coisa terem feito, ostentam, sem justificação plausível, grandes fortunas que esbanjam, jogam dinheiro fora, corrompem elementos das autoridades e “compram” simpatias, sem que quem de direito se questione como e onde conseguiram as mesmas.

Não é por isso de estranhar as revelações que agora vêm a público apontando políticos, empresários, oficiais militares e policiais, dirigentes associativos, músicos e até pastores religiosos de serem traficantes de droga, como é o caso bastante badalado na última semana do músico “Da Beleza”, que ganhou visibilidade por “oferecer” dinheiro publicamente, bem como do presidente da Associação Jovens Unidos e Solidários (AJUS), Mário Durão, que, habituado que está a ludibriar o MPLA com pseudo-campanhas de apoio, apenas desviar verbas e, a população, a quem distribui sal e depois diz que doou bens alimentares, ante a acusação de envolvimento no tráfico de drogas, sem perda de tempo resolveu escudar-se no nome do Presidente da República e inventou uma dita “campanha” denominada “João Lourenço Hoje, Amanhã e Sempre”, uma iniciativa de cariz filantrópico para “homenagear o Chefe de Estado”, supostamente para angariar mais algum e “tirar o pé”, como soe dizer-se, para parte incerta!

Mas estes não são os únicos nomes, muitos outros há que a seu tempo serão revelados. 

É assim que, nos últimos tempos, Angola tem presenciado uma escalada vertiginosa da criminalidade.

O crime organizado vai tomando corpo; os grupos de delinquentes aumentam cada dia e estão a tomar de assalto diversas comunidades, em Luanda e outras grandes cidades; muitas acções criminosas, anteriormente feitas em surdina e na calada da noite, passaram a ser feitas descaradamente, com um destemor de arrepiar.

Os delinquentes perderam o respeito às autoridades e agem ousados e sem temer nada, assaltando, matando, violando e raptando.     

“A violência e a intrínsica relação com o crime são questões que desafiam bastante as entidades governamentais dos países sob influência dos traficantes de drogas. Para o usuário, o consumo desenfreado dessas substâncias causa o comprometimento da capacidade crítica, reduz o juízo de valor e o torna refém da marginalidade e da exclusão social”, indicam especialistas.

Violência generalizada, homicídios, crimes patrimoniais, agressões, tudo decorre do tráfico de drogas, sendo actualmente a realidade que se vive em várias sociedades e, se não for rapidamente contida, também será no nosso país! Quo vadis Angola?

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados